Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
Polícia

Acordo permite que policiais ignorem fronteira durante perseguições

24 junho 2016 - 07h00Por Dourados News
Em uma reunião nesta quinta-feira (23), na Governadoria de Amambay em Pedro Juan Caballero, a Polícia Militar de Ponta Porã propôs às autoridades paraguaias o poder para avançar a linha do país vizinho quando necessário na busca por bandidos. A solicitação aconteceu em meio ao debate que visa soluções e um "pacto internacional" para acabar com a insegurança que se instalou na região, com os acontecimentos violentos recentes da "guerra do tráfico", como a execução do narcotraficante Jorge Rafaat.

O debate durou cerca de duas horas e contou com representantes de órgãos de segurança do Brasil e do Paraguai, além de autoridades políticas. De acordo com o comandante da Polícia Militar de Ponta Porã, Waldomiro Centurião, a medida colocada na reunião trará mais amplitude ao trabalho da polícia e ajudará na eficácia de perseguições e diligências aos criminosos.

"Nossa proposta é que tanto a polícia paraguaia quanto a de Ponta Porã, possa ultrapassar o lado do país vizinho, o que certamente ajudará a capturar os bandidos, pois, hoje, se esse ‘passa’ para lá, ficamos impedidos de seguir e assim a fuga é proporcionada de certa forma e o mesmo para polícia paraguaia. Não podemos deixar que a soberania nacional seja um obstáculo no combate ao crime", pontuou.

Ainda conforme Centurião, mais algumas situações foram pontuadas, com foco em coibir ilícitos fronteiriços. Entre estas, a proposta de mais rigidez na lei que dispõe sobre uso de arma de fogo no Paraguai e ainda uma análise de medidas mais criteriosas no que diz respeito a veículos roubados no Brasil e levados para o país vizinho.

"Entendemos e pontuamos na reunião que é preciso uma revisão da lei 4036/2010 que diz respeito à comercialização de armas, munições e explosivos, tornando o acesso a esses mais dificultado. No âmbito de veículos roubados no Brasil que são levados para lá, propomos que haja uma análise mais correta que identifique isso, e não permita que quando identificados sejam legalizados e sim transladados de volta", disse.

Agora as indicações seguem para um estudo das autoridades paraguaias, para que se aprovadas entrem em vigência. Questionado sobre o clima na região de fronteia, o comandante citou que em Ponta Porã, a violência do país vizinho movimentou um alerta maior e que no momento os "ânimos estão mais tranquilos , sem registro de situações anormais".

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Batalhão de Choque da PMMS apreende cerca de uma tonelada de maconha
TJMS
Segunda etapa do Concurso da Magistratura começa no dia 31
DIREITOS HUMANOS
Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo em MS abre edital para entidades
CRIME AMBIENTAL
Empresário é autuado em R$ 5,5 mil por construção de pousada e rancho pesqueiro degradando área protegida de matas ciliares do rio Taquari