Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021

Anefac mostra o quanto o consumidor economiza com novas taxas no consignado

22 maio 2012 - 17h09Por Infomoney
Com as novas taxas de juros máximas para operações de consignado para aposentados e pensionistas do INSS, a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade) realizou simulações para o consumidor observar o quando isso vai impactar nos empréstimos.

No caso dos empréstimos consignados por meio de cartão de crédito os juros máximos passaram dos atuais 3,36% ao mês para 3,06%, também ao mês. No empréstimo pessoal, os juros ao mês caíram de 2,34% para 2,14%.

Veja como ficam os empréstimos com as novas taxas

Considerando um empréstimo pessoal no valor de R$ 2.000 pelo prazo de 12 meses, as novas taxas permitem uma economia de pouco mais de R$ 50,00. Antes da alteração das taxas, o cliente pagaria 12 parcelas mensais de R$ 197,92, ou um total de R$ 2.375,04. Agora vai pagar 12 parcelas mensais de R$ 193,61, ou um total de R$ 2.323,32.

Ainda no empréstimo pessoal, outra simulação feita pela Anefac mostra que em 24 meses os mesmo R$ 2.000 saem por R$ 2.616,96, pouco mais do que os R$ 2.702,64 pagos antes da alteração das taxas.

No cartão de crédito

Agora, considerando as novas taxas, mas no cartão de crédito, em 12 meses os R$ 2 mil saem por R$ 2.456,04. Antes da alteração das taxas, o custo era de R$ 2.528,80.

Para quem deseja um prazo mais longo, de 24 meses, o empréstimo via cartão de crédito no consignado sai por R$ 2.895,36, sendo que antes da alteração das taxas saía por R$ 3.018,96.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
EDUCAÇÃO
Enem 2020: confira hoje a correção das provas ao vivo
BRASIL
Mesmo com vacina, vitória sobre coronavírus passa por 'mudança de comportamento social'
Antônio Barra Torres deu declaração ao abrir reunião da Anvisa que analisa pedidos de uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19
SAÚDE
Ocupação de leitos em UTI Covid continua alta nas cinco macrorregiões do Estado