Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020

Voo AF 447: corpos de 18 vítimas chegam ao Brasil após 9 meses

05 dezembro 2011 - 14h40
Terra

O presidente da associação brasileira das vítimas do acidente do voo AF 447, que saiu do Rio de Janeiro com direção a Paris e caiu no Oceano Atlântico em maio de 2009, informou que 18 corpos de brasileiros começaram a chegar ao País no último fim de semana. De acordo com Maarten Van Sluys, até o fim da próxima semana todos os corpos devem ser enterrados ou cremados.

"Depois de nove meses, os corpos começaram a chegar (foram identificados em março deste ano). Infelizmente, houve muita burocracia e lentidão por parte da seguradora e o próprio consulado brasileiro em Paris não se revelou muito pró-ativo. Formulários em francês foram enviados às famílias e isso acarretou demora e falta de agilidade. Só agora as coisas começam a melhorar", criticou Van Sluys.

De acordo com ele, 21 corpos ainda precisam ser identificados. "As famílias querem isso o quanto antes. Há um desejo quase total de encerrar isso, então vamos continuar lutando perante as autoridades", afirmou Sluys. No início de novembro, o Ministério das Relações Exteriores foi notificado pelas autoridades francesas sobre a identificação dos corpos de 18 brasileiros.

O acidente do AF 447
O voo AF 447 da Air France saiu do Rio de Janeiro com 228 pessoas a bordo no dia 31 de maio de 2009, às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy - Charles de Gaulle de Paris no dia 1º às 11h10 locais (6h10 de Brasília). Às 22h33 (horário de Brasília) o voo fez o último contato via rádio. A Air France informou que o Airbus entrou em uma zona de tempestade às 2h GMT (23h de Brasília) e enviou uma mensagem automática de falha no circuito elétrico às 2h14 GMT (23h14 de Brasília). Depois disso, não houve mais qualquer tipo de contato e o avião desapareceu em meio ao oceano.

Os primeiros fragmentos dos destroços foram encontrados cerca de uma semana depois pelas equipes de busca do País. Naquela ocasião, foram resgatados apenas 50 corpos, sendo 20 deles de brasileiros. As caixas-pretas da aeronave só foram achadas em maio de 2011, em uma nova fase de buscas coordenada pelo Escritório de Investigações e Análises (BEA) da França, que localizou a 3,9 mil m no fundo do mar a maior parte da fuselagem do Airbus e corpos de passageiros em quantidade não informada.

Após o acidente, dados preliminares das investigações indicaram um congelamento das sondas Pitot, responsáveis pela medição da velocidade da aeronave, como principal hipótese para a causa do acidente. No final de maio de 2011, um relatório do BEA confirmou que os pilotos tiveram de lidar com indicações de velocidades incoerentes no painel da aeronave. Especialistas acreditam que a pane pode ter sido mal interpretada pelo sistema do Airbus e pela tripulação. O avião despencou a uma velocidade de 200 km/h, em uma queda que durou três minutos e meio. Em julho de 2009, a fabricante anunciou que recomendou às companhias aéreas que trocassem pelo menos dois dos três sensores - até então feitos pela francesa Thales - por equipamentos fabricados pela americana Goodrich. Na época da troca, a Thales não quis se manifestar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$ 3,56 bilhões em outubro
MS
Salários dos mais de 79 mil servidores estaduais será depositado nesta sexta-feira
EDUCAÇÃO
AGU: nível superior vale como comprovação em concurso para nível médio
Decisão saiu no Diário Oficial da União de hoje
NOTÍCIAS
Ozonioterapia ajuda na recuperação de onça ferida em incêndio no Pantanal