Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020

Delcídio deve depor hoje e Dilma pede cautela por temer mentiras

Delcídio deve depor hoje e Dilma pede cautela por temer mentiras

26 novembro 2015 - 10h05Por Correio do Estado
Um dia depois da prisão inédita de um senador da República, Delcídio do Amaral (PT) deve depor nesta quinta-feira (26) na Polícia Federal. Ele só não foi ouvido ontem porque a defesa pediu que tivesse acesso aos motivos da prisão. Delcídio passou a noite em uma sala de 9 metros quadrados na superintendência da PF em Brasília e informações apuradas pela reportagem dão conta de que o petista pouco dormiu.

Ainda não há informações oficiais sobre o local do depoimento de Delcídio, ontem, acreditava-se que ele seria transferido para Curitiba (PR), onde estão centralizadas as investigações da Operação Lava Jato.

Ainda na noite de ontem, por volta das 8h30 no horário local, o Senado decidiu, por 59 votos a 13, a permanência da prisão do senador Delcídio.

REPERCUSSÃO

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, Dima Rousseff (PT) decidiu, depois de conselhos da cúpula política, que o Governo Federal não irá atacar ou isolar Delcídio. Segundo a reportagem apurou, o governo teme que Delcídio use, nas palavras de um ministro, "até mesmo de mentiras" para atacar diretamente o Palácio do Planalto e, por isso, a ordem é ter cautela.

Auxiliares de Dilma foram avisados na noite de terça-feira (24) sobre a prisão do senador. Ao tomar conhecimento dos fatos, a presidente demonstrou preocupação com o efeito que isso teria sobre votações importantes no Congresso e sobre sua imagem e a de seu governo.

Delcídio era um dos principais articuladores do governo no Legislativo, com trânsito entre parlamentares da base aliada e da oposição, e participava da maior parte das reuniões de coordenação política do Planalto, realizadas às segundas-feiras e comandadas pela presidente.

Horas após a prisão do senador, Dilma reuniu em seu gabinete no Palácio do Planalto os ministros José
Eduardo Cardozo (Justiça), Jaques Wagner (Casa Civil), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e Edinho Silva (Comunicação Social) para fazer uma avaliação do cenário.

Após examinar o conteúdo das falas de Delcídio, gravadas em um áudio entregue à Procuradoria-Geral da República, Dilma ordenou que, oficialmente, o governo dissesse que foi "surpreendido" pelos fatos e defendesse "a autonomia das investigações".

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro
ECONOMIA
Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância
ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$ 96,1 bilhões em agosto
NOTÍCIAS
1ª Câmara Cível considera regular a devolução de bem à revendedora