Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020

É um brinquedo assassino, diz mãe de criança morta por jet ski

É um brinquedo assassino, diz mãe de criança morta por jet ski

20 fevereiro 2012 - 14h20
G1

A mãe da menina de 3 anos morta após ser atropelada por um jet ski em Bertioga, no litoral norte de São Paulo, pede justiça nas investigações do caso e diz que foi colocado um "brinquedo assassino nas mãos de um adolescente". Cirleide Rodrigues de Lames conta que a filha estava muito feliz no primeiro passeio dela na praia. Grazielly Almeida brincava na areia na praia de Guaratuba próximo ao mar com a mãe quando o veículo desgovernado que saía da água a atingiu na tarde de sábado (18). "Foi tudo muito rápido e que não houve tempo para salvar minha filha".

"Se eu tivesse visto ele vindo de longe, teria tentado fazer alguma coisa, me jogado na frente... Mas não deu tempo", relata a mãe. Segundo os pais, era um sonho da criança visitar o litoral. "Fazia tempo que ela estava pedindo pra ir para a praia. Ela estava tão feliz, se divertindo muito", conta Cirleide Lames.

"É dolorido perder uma criança tão maravilhosa e especial. Até agora eu não acredito que isso aconteceu com a minha filha. É difícil saber o que aconteceu", completa o pai da menina, Gilson Almeida.

O corpo de menina foi enterrado na manhã desta segunda-feira (20) em Artur Nogueira, no interior de São Paulo, cidade onde a criança morava com os pais. A garota havia chegado no litoral na sexta-feira (17) junto com um grupo de dez pessoas, entre familiares e amigos, de Artur Nogueira.

A família diz estar inconformada com a imprudência e a falta de ajuda do piloto, apontado pela Polícia Civil como um adolescente de 14 anos, e da família dele, que estava hospedada em um condomínio de luxo em frente à praia.

"Eles não prestaram nem socorro, como se nada tivesse acontecido. Vai se difícil saber que eu levei a minha menininha para realizar um sonho e voltei sem ela por causa de uma irresponsabilidade", conta a mãe da menina.

O tio de Grazielly, Edilei Rodrigues de Lames, também diz estar revoltado com a falta de prestação de socorro ou ajuda do piloto e pede mais rigidez nas regras para quem pilota um jet ski. "Nós estávamos com outras famílias com crianças e muitos pais se pensaram que o acidente podia ter acontecido com algum filho deles. É uma angústia no coração pensar que nós não estamos imunes a isso", defende. A avó da menina passou mal durante o velório e precisou ser medicada.

Socorro
Durante 30 minutos socorristas tentaram reanimar a menina. Ele foi resgatada pelo helicóptero da Polícia Militar, mas chegou morta ao Hospital Municipal de Bertioga. A funcionária pública Sandra Regina Stuchi, que estava no local, diz que o piloto perdeu o controle do jet ski muito próximo à praia. "Quando a gente viu, ele já estava em alta velocidade perto dos banhistas", explica.

Investigações
O piloto, segundo a Polícia Civil de Bertioga, era um adolescente de 14 anos. Ele estava com outro menor no equipamento e serão chamados para prestar depoimento junto com os responsáveis. De acordo com a família, o piloto fugiu sem prestar socorro. Ele estava em um condomínio de luxo em frente à praia onde aconteceu o acidente. Para pilotar, é preciso ter a Carteira de Arrais Amador, habilitação para navegação amadora e documento obrigatório para quem deseja conduzir embarcações de esporte motorizadas. O jet ski foi apreendido para perícia.

A Capitania dos Portos informou ao G1 que só vai se manifestar sobre o caso na quinta-feira (23).

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Governo brasileiro confirma intenção de aderir à Covax
Alerta
Morador de MS recebe pacote de sementes da China por correio e governo emite alerta para riscos
NOTÍCIAS
Passageiros serão indenizados após falha em realocação da companhia aérea
SAÚDE
Covid-19: ocupação de leitos na rede privada cai para 57% em agosto