Menu
Busca quinta, 28 de janeiro de 2021

Funcionamento da radioterapia no Hospital Universitário de MS é adiado pela terceira vez

Funcionamento da radioterapia no Hospital Universitário de MS é adiado pela terceira vez

06 dezembro 2011 - 16h00
Midiamax

A placa de inauguração da radioterapia do HU, datada de 12 de abril de 2010, continua lá, reluzindo, como a deixou a secretária estadual de Saúde, Beatriz Dobashi, depois da solenidade de reabertura do setor.

Ela ainda brilha de nova, como os novos equipamentos e as paredes bem pintadas, depois que o governo estadual injetou R$ 270 mil na reforma do setor, parado há três anos e meio.E agora com enfeites de Natal.

Mas agora, e mais uma vez, a tão esperada reinauguração da radioterapia do Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal do MS foi adiada.

A terceira previsão de inauguração do setor que ajudaria a cobrir o imenso déficit do serviço de radioterapia no estado, como comprovou uma auditoria do TCU, estava prevista para o final de novembro.

Até então, a pendência que restava era a autorização para o funcionamento dos equipamentos de calibragem de radiação, por parte do Conselho Nacional de Energia Nuclear – CNEN, sediado no Rio de Janeiro.

A autorização foi concedida e uma médica especialista foi contratada junto à Neorad, para chefiar o departamento - fatos que dariam viabilidade à reinauguração na terceira data prevista.

Mas, segundo informações fornecidas pela assessoria de imprensa do HU, a Vigilância Sanitária estadual determinou o adiamento até que se proceda à compra de um equipamento móvel de emergência, para casos de complicações com pacientes portadores de câncer.

O estranho é que a Vigilância Sanitária é órgão da própria secretaria estadual de Saúde, a mesma que patrocinou a reforma do centro de radioterapia, e cujo nome aparece na placa de inauguração. Ou seja, discutiu as especificações técnicas do novo serviço de radioterapia.

Ainda segundo a assessoria, o HU têm várias das unidades recomendadas, mas não uma exclusiva para o setor.

Dessa forma, o HU terá que fazer uma licitação de emergência, comprar o equipamento e colocá-lo à disposição da radioterapia. Ainda segundo a informação, os recursos para a aquisição já estão empenhados.

Só depois disso é que haverá uma quarta data para a radioterapia entrar em funcionamento. Tomará que antes da “inauguração” completar um ano de vida, para o bem dos pacientes

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Tereza Cristina: transformação digital deve inserir agronegócio
SAÚDE
Covid-19: OMS aponta presença da variante de Manaus em oito países
POLÍTICA
Governo federal diz que não se envolve em compras privadas de vacina
ECONOMIA
Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve