Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020

Governo do Estado tentará capitalizar entrada do Brasil em convenção da ONU

Governo do Estado tentará capitalizar entrada do Brasil em convenção da ONU

25 abril 2016 - 10h45Por Correio do Estado
O governo do Estado pretende capitalizar recursos e promover investimentos em Mato Grosso do Sul com a assinatura do Brasil na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Na sexta-feira (22), a presidente Dilma Rousseff (PT) foi a Nova Iorque para participar do evento e assinar termo que foi aceito por 195 nações.

A forma como isso deve ser feito está em estudo a partir do programa Estado Carbono Neutro, uma ação ligada ao Programa de Mudanças Climáticas e Biodiversidade (Proclima) e em desenvolvimento pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento (Semade) e Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). A proposta foi lançada pelo governo estadual em março.

"As mudanças climáticas já estão acontecendo. Isso impacta no cotidiano do produtor rural, da distribuição e consumo de água, no consumo de alimentos e no cotidiano das nossa cidades. Esse seria um caminho (desenvolvimento sustentável) que poderia gerar um diferencial importante, promover a geração de emprego e renda", disse o titular da Semade e diretor-presidente do Imasul, Jaime Verruck.

Segundo ele, se o Estado desenvolver uma política de carbono neutro ganha um diferencial diante de outras federações. Isso pode representar incentivo para instalação de novas atividades econômicas.

"A assinatura (da convenção da ONU) é extremamente importante e seria uma grande oportunidade de o Brasil se posicionar como um dos poucos países com capacidade de gerar emprego e renda tendo a questão da sustentabilidade e a economia de baixo carbono como principal foco estratégica", defendeu o secretário.

O programa Estado Carbono Neutro ainda está em processo de desenvolvimento e os resultados só devem ser obtidos a médio e longo prazo. De acordo com o governo do Estado, Mato Grosso do Sul saiu na frente no ato de formalizar uma política de redução dos gases de efeito estufa.

"O programa é um projeto pioneiro que envolve todas as atividades econômicas. Ele já se materializa na recuperação de pastagens degradadas, na recuperação florestal e na implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)", explicou Verruck.

RISCO CONSTATADO

Com potencial turístico, o Estado tem diferentes regiões com natureza que atraí pessoas do Brasil e do exterior. Contudo, umas dessas áreas corre o risco de sofrer sérios impactos com a elevação da temperatura do planeta.

Estudo feito por equipe do pesquisador José Antonio Marengo Orsini, do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), com base no 5º Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de 2014, indicou que o Pantanal pode desaparecer até 2100.

Isso porque a temperatura na região aumentaria até 7º C, acarretando em alterações profundas no ciclo das águas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
MEC discute novas formas de avaliar ensino superior
PIX
Procon pede explicações a Mercado Pago e NuBank sobre cadastros
Clientes dizem que foram cadastrados sem autorização
GERAL
Huawei avança em energia solar no Brasil e mira em baterias
INTERNACIONAL
EUA pedem que Brasil "mantenha olhar crítico" sobre a China