Menu
Busca domingo, 24 de janeiro de 2021

Homem acha a irmã na internet após 33 anos

José Buchu e Hilda Soares se localizaram pelo Facebook graças às filhas

28 setembro 2012 - 13h30
G1





A falta de recursos foi um dos principais motivos para separar, por 33 anos, os irmãos José Buchu e Hilda Gomes Soares. Os dois perderam contato em 1979, quando José deixou a cidade de Colatina, no Espírito Santo, onde a irmã e os pais moravam.

Atualmente, graças à ajuda das duas filhas, também separadas pelo tempo, os dois se localizaram pelo Facebook. O reencontro, tão esperado, será neste sábado (29), em Curitiba.

Emocionado, José contou ao G1 que está ansioso para rever a irmã e após ver fotos afirmou: 'Ela está uma velhona enxuta".

"Na época eu morava com meu pai e a Hilda, que é a minha única irmã. Minha mãe tinha casado de novo e morava em outra casa. Eu também acabei casando e fui morar em Toledo, no Paraná. Depois disso, o tempo foi passando e eu perdi totalmente o contato. Depois, fui morar em Guarantã, no Mato Grosso. Eu sempre tive vontade de localizar minha irmã, mas não tinha recursos, nunca pude escrever uma carta. Telefone então... Isso era muita coisa pra mim", explicou Buchu, que tem 63 anos.

"Eu já estou em Curitiba desde o dia 3 de setembro. Vim para fazer uma cirurgia de hérnia umbilical e aproveitei para me instalar na casa da minha filha Sandra. Eu tô achando a cidade meio gelada, um frio danado, mas penso em morar aqui um dia. Eu e a Hilda decidimos marcar o encontro aqui e antes da cirurgia porque a minha saúde não anda 100%", explicou José. A viagem de Hilda para Curitiba foi patrocinada pelo filho mais velho, que mora nos Estados Unidos.

Sandra comemora e afirma que achar a tia foi o melhor presente que ela poderia ter dado ao pai. "O meu pai sempre comentava que sentia saudades dela. Há mais ou menos uns três anos eu procurei na internet, mas achei muitas famílias com o mesmo sobrenome. Aí acabei desistindo".

"Mas desta vez, me veio uma luz e eu resolvi procurar de novo. E eu não sei como, uma moça com o sobrenome da minha tia me adicionou por acaso. No começou eu desconfiei, mas aceitei. Nós trocamos várias mensagens e acabou que deu certo, fazíamos parte da mesma família e ela era a filha da minha tia...Minha prima", explicou.

José conversou com a sobrinha pela webcam e a alegria de relembrar as histórias de tanto tempo perdido durou pouco tempo até ele descobrir que os pais já tinham falecido. "Foi uma alegria e uma tristeza ao mesmo tempo. Eu até imaginava que os meus pais já tinham falecido, mas ainda tinha um 'pinguinho' de esperança de também encontrá-los", lamentou.

"Ansiedade é pouco para dizer o que sinto. Eu quero logo que esse reeencontro aconteça. Me arrependo muito de ter deixado o tempo passar. É que na época eu não tinha condição nenhuma de fazer alguma coisa, mas uma coisa eu garanto - se eu soubesse mexer nessa tal de internet, com certeza, já estaria bem perto da minha irmã", apontou o irmão.

Hilda, que tem 64 anos, mora em Coselheiro Pena, Minas Gerais, e também afirmou estar ansiosa para reencontrar o irmão. "Eu estou pronta para esse momento. Acho que vai ser um dos mais importantes da minha vida. Tentei achá-lo várias vezes, cheguei a escrever várias cartas, mas não sabia o endereço direito. Eu estava muito perdida, a última informação que eu tive foi que ele tinha ido para o Paraguai. Bom que, graças a Deus, deu tudo certo. Quero dar um abração no meu irmão e recuperar nossa família, que é a razão de tudo".

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo deve controlar gastos
SAÚDE
Estados brasileiros começam a receber vacina de Oxford
SAÚDE
Número de casos de Covid-19 continua alto na maioria das cidades do Estado
NOTÍCIAS
Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para obras inéditas