Menu
Busca segunda, 25 de janeiro de 2021

Juiz oficial da final reconheceu erro ao punir Esquiva

17 agosto 2012 - 13h40
Globo esporte


Árbitro principal da final olímpica dos pesos-médios entre o brasileiro Esquiva Falcão e o japonês Ryota Murata, o polonês Mariusz Gorny reconheceu participação direta na derrota do pugilista capixaba. Após a luta, o juiz admitiu ao oficial Jones Kennedy, primeiro brasileiro a arbitrar no boxe em Olimpíadas, que a punição por excesso de contato físico definiu o resultado do combate (ouro para Murata, prata para Esquiva). Gorny achava que o atleta do Brasil não seria tão prejudicado pela penalidade. No entanto, o japonês ganhou dois pontos, venceu a luta por uma diferença de apenas um (14 a 13) e ficou com o título em Londres.

- Depois da final, ele veio conversar comigo e disse: "Kennedy, pensei que o brasileiro estava ganhando por quatro pontos. Achei que a punição não influenciaria o resultado" - revelou o árbitro paraense.

Kennedy, porém, não acredita que a punição foi um erro, mas sim uma precipitação. De acordo com o árbitro, Gorny também deveria ter aplicado a pena a Murata, já que os dois pugilistas estavam se agarrando. Uma outra avaliação do brasileiro foi que o polonês poderia ter deixado o combate terminar, pois faltava apenas um minuto para o sino soar.

O erro, porém, fica mais evidenciado pelo ranking que a Associação Internacional de Boxe (Aiba) faz do desempenho de todos os árbitros nas Olimpíadas. Depois dessa luta, o experiente oficial sofreu consequências negativas e caiu no conceito da entidade.

- Ele tem mais de 25 anos de arbitragem e faz parte do quadro da Aiba. Por causa dessa luta, ele caiu para nono lugar, mas antes estava em terceiro - destacou Kennedy, que ficou justamente na terceira posição da lista.
Esquiva saiu do ringue contente pela inédita prata para o boxe brasileiro, mas também achou injusta a punição sofrida. Além dele, o irmão Yamaguchi Falcão e Adriana Araújo ganharam a medalha de bronze em Londres.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Brasil tem quase 30 mil novos casos de hanseníase por ano
CONTRABANDO E CRIME AMBIENTAL
Goiano é autuado pela PMA e preso por Policiais Militares com agrotóxicos do Paraguai
JUSTIÇA
Estudante que ficou três anos sem diploma será indenizada
CASSILÂNDIA
Polícia Militar prende mulher por agredir marido