Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020

Matar jonralista não mata o jornalismo, diz Fábio Trad

Matar jonralista não mata o jornalismo, diz Fábio Trad

16 fevereiro 2012 - 14h40
MS Noticias


O deputado federal Fabio Trad (PMDB – MS) fez um contundente pronunciamento na Câmara sobre a violência contra jornalistas no Brasil.. “Há os que pensam que matar jornalistas é também matar o jornalismo. Há, porém, os que pensam que matar jornalistas reforça a necessidade de legitimarmos um dos mais caros princípios constitucionais insculpidos pela sociedade democrática brasileira em 1988, que é a liberdade de expressão e manifestação do pensamento”,afirmou o deputado sul-mato-grossense.

Fabio referiu-se ao assassinato, nas últimas duas semanas, de dois profissionais de imprensa no país, um deles no Mato Grosso do Sul. O jornalista Paulo Roberto Cardoso Rodrigues, 51, foi morto a tiros na noite do dia 12 na cidade de Ponta Porã. Paulo Rocaro, como era conhecido, editava o "Jornal da Praça" - veículo impresso local de circulação diária - e também dirigia o site de notícias MercosulNews.com. Também neste mês foi assassinado, em Barra do Piraí (RJ), o jornalista Mário Randolfo Marques Lopes editor do site "Vassouras na Net".


Segundo Fabio Trad, os crimes são suficientes para alerta o Congresso a reagir à altura para que casos como esses não se tornem epidêmicos no Brasil que se pretende democrático. “A liberdade de expressão e manifestação do pensamento é, na realidade, a tradução mais fiel do compromisso brasileiro com o Estado Democrático de Direito”, disse o deputado.

Investigação Local


Fabio Trad defendeu, ainda, que os crimes sejam investigados no âmbito estadual: “É preciso partir do pressuposto do fortalecimento das Polícias Civis e não, evidentemente, partir do pressuposto de que elas podem ser mais vulneráveis às conjunturas das políticas locais”.

O deputado exortou a sociedade civil organizada a exigir das Polícias Civis do Rio de Janeiro e de Mato Grosso do Sul o cabal esclarecimento desses fatos: “Que são gravíssimos, porque atentam contra valores sem os quais nós, brasileiros, não teremos o direito de expor o nosso pensamento. Peço que esta Casa não baixe a guarda e se engaje, de forma definitiva, não apenas em defesa do direito de os jornalistas expressarem os seus pensamentos, mas no direito que a sociedade tem de ter uma imprensa livre e democrática”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Justiça determina que deputada Flordelis use tornozeleira eletrônica
POLICIA CIVIL
Veículo tomado em golpe do falso frete em Dourados é recuperado
DOURADOS
Após reclamações de calorão, prefeitura fará 'reparos' na Central do Cidadão
SAÚDE
Governo brasileiro confirma intenção de aderir à Covax