Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020

Muçulmanos dos EUA estão preocupados com extremismo islâmico

30 agosto 2011 - 15h10
Muçulmanos dos EUA estão preocupados com extremismo islâmico

EFE

Os muçulmanos que vivem nos Estados Unidos estão preocupados com o possível aumento do extremismo islâmico e pelas constantes investigações a que são submetidos por conta das políticas antiterroristas aplicadas após os atentados do 11 de Setembro, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira.

O estudo do Centro Pew, uma instituição independente com sede em Washington, destacou, no entanto, que não há "evidências" de um aumento da marginalização nem do apoio ao extremismo entre a comunidade muçulmana dos EUA.

A pesquisa, baseada em consultas a 1.033 muçulmanos residentes nos EUA, revela que 60% estão preocupados com o possível aumento do extremismo islâmico no país.

Além disso, 21% dos consultados consideram que há bastante apoio ao extremismo entre os muçulmanos nos EUA e 48% acreditam que seus líderes não fazem o suficiente para falar contra essas atitudes.

Quando perguntados se o Governo de Barack Obama está fazendo "esforços sinceros" para combater o terrorismo, o quadro aparece dividido - 43% acreditam que sim e 41% opinaram o contrário.

O dado contrasta com uma enquete similar feita em 2007, quando 55% responderam que o Governo de George W. Bush não estava realizando "esforços sinceros" na luta antiterrorista e apenas 26% achavam que sim.

Em relação ao estudo de 2007, a percentagem dos que sustentam que ser muçulmano nos EUA é mais difícil após os atentados terroristas do 11 de setembro de 2011 perpetrados pela Al Qaeda subiu em dois pontos (de 53% para 55%).

Uma maioria de 52% dos entrevistados diz que as políticas antiterroristas do Governo dos EUA após os atentados representaram um aumento da vigilância e o controle à comunidade muçulmana.

Apesar de tudo, 56% estão "satisfeitos" com a vida que leva no país, frente aos 38% que dizia o mesmo em 2007.

Por fim, 81% afirmam que "nunca" justificaria um ataque terrorista suicida em defesa do Islã, em comparação com 78% que disseram o mesmo em 2007.

O estudo do Centro Pew, realizado entre os dias 14 de abril e 22 de julho, tem uma margem de erro de 5%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Missa no Rio homenageia os mais de 100 mil mortos por covid-19
POLÍTICA
Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano
ASSASSINATO
Ex-lutador de MMA é assassinado a tiros ao lado da esposa, na fronteira de MS com o Paraguai
OPORTUNIDADES
JBS oferece mais de 600 vagas em Dourados e mais cinco cidades 08 agosto 2020 - 19h40Por Da Redação