Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020

Os dez filmes que marcaram 2011

Os dez filmes que marcaram 2011

07 dezembro 2011 - 15h40
IG


"Cisne Negro"

O longa-metragem de Darren Aronofsky não levou o Oscar de melhor filme, mas garantiu a Natalie Portman a estatueta de atriz na cerimônia de 2011. A história, que retrata a luta de uma jovem bailarina para interpretar os dois papéis principais de "O Lago dos Cisnes", traz à tona a busca insana por perfeição e a competitividade no mundo da dança.

Com tons de horror psicológico, "Cisne Negro" prima em utilizar efeitos especiais para realçar o medo e a confusão mental de sua protagonista. O desfecho, ao som de Tchaikovsky, é uma apoteose que o cinema hollywoodiano não via há muito tempo.

"O Discurso do Rei"

Baseado em fatos reais, "O Discurso do Rei" conta a história de superação do rei gago George 6º (Colin Firth). Após consultar uma série de especialistas, encontra num terapeuta pouco ortodoxo (Geoffrey Rush) a solução para o seu problema.

O longa que conquistou o Oscar de melhor filme possui alta carga dramática, trilha-sonora açucarada e se apoia em closes para aumentar os momentos de tensão. Além da crítica, o filme ganhou respaldo do público ao aproximar a família real das multidões.

"Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas"

Depois de contabilizar mais de US$ 2,7 bilhões (R$ 4,37 bi) com os três primeiros "Piratas do Caribe", a Disney voltou a apostar no carisma do capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) para fazer de "Navegando em Águas Misteriosas" um sucesso.

O filme, que entrou para a restrita lista dos que bateram a marca do US$ 1 bilhão em bilheteria, conta como o pirata se envolveu com o temido Barba Negra (Ian McShane) na busca pela mítica Fonte da Juventude. O roteiro retoma erros e acertos da franquia, tendo como trunfo a relação de Sparrow com seu nêmeses, o capitão Barbossa (Geoffrey Rush).

"Rio"

Dirigida pelo brasileiro Carlos Saldanha, a animação "Rio" conta a curiosa história da arara-azul Blu (voz de Jesse Eisenberg), que é levada dos Estados Unidos ao Brasil para cruzar com a fêmea Jade (Anne Hathaway) – os dois são os últimos sobreviventes da espécie.

Sequestrados por um traficante, a dupla escapa e encontra na fauna do Rio de Janeiro figuras que correspondem aos seus mais célebres produtos de exportação: Zé Carioca, o malandro da Disney, e Zé Pequeno, o vilão de "Cidade de Deus". No fim, o filme consegue equilibrar o olhar estrangeiro com o local e aponta para uma imagem cordial do brasileiro.

"Meia-Noite em Paris"

Famoso por utilizar Nova York como cenário de seus filmes, em "Meia-Noite em Paris" o diretor Woody Allen não apenas mudou a localização, mas aderiu ao cinema fantástico para entregar uma carta de amor à capital da França.

A história segue o frustrado roteirista Gil (Owen Wilson, que entrou para a lista de alteregos do cineasta) durante uma viagem com sua noiva e sogros pela cidade. Ao escapar para um passeio pela madrugada, o rapaz volta no tempo e encontra figuras célebres, como Cole Porter, Scott Fitzgerald, Ernest Hemingway e Salvador Dalí - estratégia utilizada por Allen como pretexto para reflexões sobre as ilusões que temos sobre a existência.

"De Pernas pro Ar"

No ano em que as comédias brasileiras dominaram as salas do País, "De Pernas pro Ar" mostrou como é possível agradar ao grande público fazendo graça com sexo. A trama acompanha a workaholic Alice (Ingrid Guimarães), que após perder o marido e o emprego descobre no mundo dos sex shops uma maneira de encarar a vida de forma diferente.

Apesar do tom moralista, a comédia se ampara no talento da habilidosa Ingrid Guimarães, que brilha nas cenas em que tem maior tempo e liberdade em frente às câmeras. O sucesso foi tanto que "De Pernas pro Ar 2" já está previsto para 2012.

"X-Men: Primeira Classe"

No ano em que super-heróis de peso invadiram os cinemas com filmes como "Thor", "Capitão América" e "Lanterna Verde", o desacreditado "X-Men: Primeira Classe" revelou-se a melhor adaptação de quadrinhos de 2011. Seu trunfo foi contextualizar a descoberta da existência de mutantes durante a Guerra Fria, mais precisamente no episódio conhecido como Crise dos Mísseis, de 1962.

É nesse cenário que os mutantes Erik Lehnsherr (Michael Fassbender), o futuro Magneto, e Charles Xavier (James McAvoy) se conhecem, debatem sobre a coexistência entre humanos e mutantes e, ao término, dividem-se. Uma ótima oportunidade para a Fox, estúdio responsável pela franquia, recomeçar a série nos cinemas.

"Bruna Surfistinha"

Baseado em "O Doce Veneno do Escorpião", livro em que a ex-garota de programa Raquel Pacheco conta suas memórias, "Bruna Surfistinha" marcou 2011 com a clássica história de rebeldia, ascensão, queda e redenção - tudo temperado por muito sexo.

No papel da protagonista, a atriz Deborah Secco aparece com pouquíssima ou nenhuma roupa em diversas cenas. Mesmo com um tema polêmico, a direção conduziu a trama com a maior leveza possível, o que garantiu a quebra da marca dos 2 milhões de expectadores

"Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2"

O desfecho cinematográfico da saga "Harry Potter" agradou aos fãs da série, que acompanhou durante uma década o desenvolvimento das oito adaptações das obras de J.K. Rowling.

Em seu capítulo final, o filme esclareceu mistérios, concretizou amores platônicos, matou personagens de forma trágica e entregou aos expectadores a tão aguardada batalha final entre o jovem bruxo e seu inimigo, Voldemort. Com efeitos especiais competentes, a produção causou comoção nas plateias.

Os Muppets"

Após anos distantes dos cinemas, o sapo Kermit (ex-Caco) e seus amigos voltaram em grande estilo com "Os Muppets", primeiro longa-metragem dos personagens criados por Jim Henson produzido pela Disney.

Na história, um grande fã dos bonecos (Jason Segel) tenta salvar o teatro onde o grupo estreou de um barão do petróleo que pretende destruí-lo. Para isso, ele reúne o bando para um programa especial. Com clima retrô e piadas ingênuas, os Muppets divertem adultos e crianças com igualdade.

O curioso fica pela troca de nome do personagem Caco, que agora pede para ser chamado de Kermit, seu nome original.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Clima ameno se despede de MS no segundo dia da primavera
JUSTIÇA
STF mantém obrigação de locadoras terem cota de veículos adaptados
Norma era questionada pela Confederação Nacional dos Transportes
NOTÍCIAS
Criança sob guarda deve receber mesmo tratamento que filho em plano de saúde
MEIO AMBIENTE
Números de multas e de focos de queimadas no MS já superam 2019