Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021

Terapeuta de Marcos e Elize diz que ela tinha “indícios de psicopatia”

10 agosto 2012 - 15h20
Revista Época


Elize Araújo Kitano Matsunaga, que no dia 19 de maio deste ano matou e esquartejou seu marido, Marcos, e posteriormente confessou o crime, apresenta indícios de “psicopatia, uma perversão e uma fantasia persecutória”, afirma a terapeuta que atendeu o casal nos meses que antecederam o crime.

O depoimento dela à polícia – obtido com exclusividade por ÉPOCA – ilustra a disposição de Elize nos dias que antecederam o crime e dificulta a sua defesa. Seu advogado, Luciano Santoro, pediu na Justiça que o testemunho fosse retirado dos autos do processo. Ele argumentou que o inquérito sobre o caso conduzido pela Polícia Civil já havia sido encerrado quando a psicóloga foi ouvida. O juiz não concordou e negou o pedido.

Os Matsunaga procuraram a psicóloga no dia 14 de março deste ano. Segundo o depoimento dela, Elize disse que o relacionamento do casal começou a desandar quando nasceu a filha dos dois, em abril de 2011. Elize disse que não conseguia dormir direito e ficava irritada. Foi nessa época que começou a tomar remédios para dormir. Melhorou dos distúrbios do sono, mas a irritação continuou. “Eles vinham brigando com certa freqüência, por motivos generalizados”, disse a psicóloga. “Elize estava sempre muito nervosa e irritada. Brigando, atacando, agredindo fisicamente e com palavras seu marido”.

Em seu depoimento, a terapeuta contou ainda como Elize reagiu a duas supostas traições do marido. A primeira teria sido com uma funcionária do grupo Yoki, que ela teria descoberto ao entrar no e-mail de Marcos, em 2010 (as investigações não comprovam se essa traição realmente existiu). Elize disse à psicóloga que já havia perdoado o episódio. Durante as sessões de terapia, não foi mencionada a relação de Marcos – esta sim, posteriormente comprovada – com a garota de programa Nathália Lima. A psicóloga só ficou sabendo do episódio quando Elize ligou para ela, no dia 21 de maio, dois dias depois de matar Marcos. Contou que havia aproveitado uma viagem para o Paraná para colocar um detetive no encalço dele – e disse que, na volta, o detetive havia mostrado a ela fotos de Marcos com “uma morena”.

Durante esse telefonema, Elize mentiu para a terapeuta. Disse que Marcos havia “saído de casa, levando uma muda de roupa e uma grande quantidade de dinheiro”. Em seguida, perguntou se Marcos havia ligado para ela. A psicóloga disse que não e, ao ser informada de que Elize estava sozinha, disse que seria importante que a cliente fosse até o consultório devido a seu estado emocional. Elize recusou a sugestão e agradeceu pelos serviços, desmarcando a consulta do dia seguinte porque “o casamento havia acabado”. A psicóloga só ficou sabendo que sua ex-paciente havia matado Marcos pela imprensa, após a confissão. O assassinato fez com que ela concluísse aquilo que já havia notado nas consultas que realizara: “O psicodiagnóstico de uma personalidade que apresenta indícios de psicopatia, uma perversão, e uma fantasia persecutória (mania de perseguição)”.

Cerca de um mês depois de recorrer à terapeuta pela primeira vez, os Matsunaga procuraram, cada um de uma vez, o reverendo da igreja anglicana que havia celebrado o casamento e batizado a filha do casal. Foi Elize quem primeiro o contatou, por e-mail. Na mensagem, ela escreveu que receava pela própria vida, pois o marido havia tentado matar a ex-esposa (em seu depoimento à polícia, Elize acusou Marcos de tentar envenenar a primeira mulher, a gaúcha Cristina Carbonera).

Seis dias depois, o religioso recebeu um e-mail de Marcos, onde ele solicitava um encontro para conversar sobre seu relacionamento. Acabaram se reunindo três dias depois, na manhã do dia 29 de abril. De acordo com o depoimento, Marcos se queixou de que Elize o acusava de traição – e mentiu, ao negar que traísse a mulher, embora estivesse saindo com a morena Nathália desde fevereiro. No momento em que os dois conversavam, Elize ligou. O reverendo passou o telefone a Marcos. De acordo com o religioso, Marcos teve que afastar o celular do ouvido por conta do volume dos gritos da mulher. Na ocasião, o reverendo o aconselhou a trocar a fechadura do quarto de armas (o casal era praticante de tiro ao alvo) e a considerar uma possível internação de Elize -- para segurança de Marcos e da filha “e para defendê-la até de si própria”. O reverendo ainda disse à polícia que, já há algum tempo, notara um comportamento estranho de Elize, em que ela parecia ter visões e alucinações, configurando “um quadro de paranóia que poderia evoluir para esquizofrenia.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Saúde atualiza plano de vacinação com novas categorias na prioridade
BATAGUASSU
Polícia Militar apreende mercadorias descaminhadas
IMUNIZAÇÃO
Vacinas já distribuídas atendem cerca de 10% dos públicos prioritários
BRASIL
Justiça lança projeto-piloto para redução da oferta de drogas ilícitas