Menu
Busca segunda, 30 de novembro de 2020

Testemunha diz que mulher que teve rosto desfigurado iria revelar algo grave

Testemunha diz que mulher que teve rosto desfigurado iria revelar algo grave

25 janeiro 2012 - 14h40
R7


Uma testemunha afirmou que Geralda Guabiraba, encontrada morta sem os olhos e com o rosto desfigurado, disse que tinha algo "grave para revelar". De acordo com uma ex-funcionária da família, que não quis se identificar, Geralda parecia muito preocupada.

- Ela falou que queria me contar algo que ela tinha feito, que era algo muito grave. [Disse] que quando eu soubesse o que ela teria feito talvez eu poderia até perder a admiração que eu tinha por ela.

A testemunha disse que a revelação tinha a ver com "o padre", mas não soube dar mais informações. Geralda foi morta um dia antes do encontro que elas tinham marcado.

Imagens

Enquanto a Justiça decretou sigilo sobre as investigações da morte de Geralda, imagens obtidas com exclusividade pelo Jornal da Record mostram que dois veículos acompanharam a vítima quando ela saiu de casa, na madrugada de sábado (14), em Mairiporã, na Grande São Paulo.

Nas cenas, o carro de Geralda deixa a zona norte de São Paulo e segue para o local do crime. Na frente, está um veículo prata e, atrás, outro também prata. Não é possível identificar quem está ao volante. A câmera registra também o horário, por volta da 1h.

As imagens confirmam a versão dada à polícia por testemunhas e reforçam a tese dos investigadores de que a dona de casa saiu para encontrar alguém conhecido. O comerciante Márcio Calixto já havia antecipado a versão à Rede Record:

- Os carros estavam bem próximos, com uma distância de no máximo 10 m um do outro.

Geralda deixou seu prédio por volta da 0h30. Por volta das 3h, a polícia encontrou o corpo dela, com o rosto desfigurado e um corte no pescoço em uma área conhecida como Pedra da Macumba.

Nesta segunda-feira (23), a polícia ouviu quatro testemunhas, mas só revelou a identidade de um deles, o terceiro porteiro do prédio em que a vítima morava. Ele deu detalhes da rotina da dona de casa. Já a delegada fez várias reuniões sigilosas, inclusive com representantes da polícia judiciária de São Paulo.

O laudo feito no corpo de Geralda foi entregue nesta segunda à delegada, que não revelou novos detalhes. Cláudia Patrícia Dálvia, responsável pelo caso, já havia dito que um ferimento no pescoço provocado por um objeto cortante – como uma faca cega ou um caco de vidro – foi a causa da morte da dona de casa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BATAYPORÃ
Infrator é autuado em R$ 5 mil por criar ave ilegalmente
ECONOMIA
Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
HEMOSUL
Com quase mil voluntários na semana do doador, Hemosul reforça doação frequente
MS
Governo abre processo seletivo para 80 profissionais de saúde para o Hospital Regional