Menu
Busca segunda, 08 de março de 2021

WikiLeaks publica mais 250 mil mensagens diplomáticas dos EUA

02 setembro 2011 - 14h50
Na semana passada, site havia publicado 134 mil documentos secretos.
Publicação sem edição criou polêmica com Deparamento de Estado e jornal

G1

O site WikiLeaks informou nesta sexta-feira (2) ter postado mais de 250 mil mensagens diplomáticas americanas confidenciais, que podem ser consultadas livremente sem a necessidade de senha.

"No total, 251.287 telegramas das embaixadas americanas foram postados num formato que permite fazer buscas", afirma o portal criado por Julian Assange em seu Twitter.

No momento, não está claro se o WikiLeaks postou os telegramas na íntegra, ou seja, sem proteger a identidade das fontes, como anunciou que iria fazer.

Na véspera, o portal lançou uma consulta junto a seu milhão de seguidores no microblog Twitter para saber se publicava na íntegra ou não.

A consulta foi lançada em meio a uma polêmica entre o WikiLeaks e o jornal britânico "The Guardian", acusado por Assange de estar por trás da difusão temporária da totalidade dos documentos sem edição.

A votação foi "favorável a mais de 100 por 1" pela divulgação total do denominado 'Cablegate', anunciou o WikiLeaks, que na semana passada já tinha publicado outros 134 mil novos documentos confidenciais do Departamento de Estado americano, muitos dos quais incluíam nomes de pessoas que haviam falado sob a condição do anonimato com diplomatas americanos.

Diante da nova ameaça, o Departamento de Estado avaliou que a continuação da difusão dos documentos por parte do site especializado no vazamento destes documentos era "irresponsável, imprudente e francamente perigosa".

"Expusemos claramente nossos pontos de vista e preocupações sobre a divulgação ilegal de informação secreta e o risco continuado causado por estas divulgações para alguns indivíduos e a segurança nacional", declarou, em Paris, a porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland.

O WikiLeaks argumentou, em um editorial publicado na internet, que a iniciativa de difundir a totalidade dos documentos se devia a que estes estavam em um arquivo na internet e que a senha também era pública.

O site acusou na quinta-feira um jornalista do "Guardian" - um dos cinco periódicos de prestígio mundial que difundiram os primeiros documentos, juntamente com "El País", "Le Monde", "New York Times" e "Der Spiegel" - de ter revelado a senha secreta que dá acesso aos despachos.

"Já falamos com o Departamento de Estado e apresentamos uma ação preliminar na Justiça", acrescentou o WikiLeaks em um comunicado divulgado no Twitter.

O jornal britânico retrucou, informando que "repudia totalmente qualquer acusação de que seja responsável pela divulgação dos despachos sem editar" e acusou, por sua vez, o site.

O "Guardian" também insistiu no comunicado enviado ao Wikileaks "não seguir adiante com seu plano de difundir os despachos" sem editar, lembrando que esta tem sido sua posição desde que teve início a divulgação dos documentos, no fim de 2010.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Autor se arrepende do crime e compra televisor novo para restituir à vítima
SAÚDE
Agência Brasil explica seus direitos no momento da vacinação
SAÚDE
Covid-19: mortes ultrapassam 265 mil e casos chegam a 11 milhões
TRÁFICO
Camionete furtada no Rio de Janeiro foi recuperada com mais de uma tonelada e meia de maconha