Menu
Busca quarta, 28 de outubro de 2020
Ponta Porã

Acadêmicas de Agronomia, irmãs se destacam ao administrar fazenda da família

08 março 2016 - 13h12Por Fonte: douradosnews
No Dia Internacional da Mulher, contamos a história da acadêmica Malena de Jesus Oliveira May. Cursando o 5º semestre de Agronomia da Unigran, Malena é quem toca a fazenda da família em Ponta Porã, juntamente com a irmã, Camila de Jesus Oliveira May, que é técnica em Agricultura.

A estudante conta que começou a cursar Arquitetura e Urbanismo, mas o gosto pelo campo foi maior e se deu conta de que estava na faculdade errada. "Há mais de 100 anos meu bisavô veio para cá e desbravou a região, que passou a fazenda para o meu avô, meu pai e agora, eu e minha irmã decidimos dar sequência ao trabalho da família. Nossa vida é o campo, tentei fugir, mudar pra cidade, mas não era o que eu realmente queria", garante.

Aos 21 anos, a acadêmica já toma decisões importantes. A fazenda Graça de Deus mantinha exclusivamente gado de corte, demonstrando personalidade, ela e a irmã propuseram a integração lavoura-pecuária. "Percebemos que seria um desperdício utilizar um solo tão rico apenas para pasto. No quesito produtividade, temos um resultado muito melhor, não tem nem comparação, o gado recebendo mais alimento produz mais carne e na lavoura conseguimos produzir muito bem soja e milho nas áreas que trabalhamos", destaca Malena.

À frente dos trabalhos na fazenda, a futura engenheira agrônoma ajuda na parte de doenças, manejo, tecnologia, implementação da lavoura-pecuária, entre outras atividades. Para ela, estar em um trabalho que é predominantemente feito por homens ainda é complicado.

"Sofremos um preconceito por sermos mulheres. Uns falam que somos sensíveis, não podemos pegar peso, e tudo mais, no entanto, isso está mudando aos poucos, somos bem aceitas na região e até os próprios homens já nos aceitam, trabalham juntos, e entendem que podemos fazer o mesmo que eles", ressalta.

Para ela, estar nessa posição é vencer barreiras. "Passamos por tantos preconceitos, a mulher é tão discriminada nessa área. Então pra mim é vencer, mudar esse machismo que ainda tem, ganhar espaço e ter atitude", defende Malena de Jesus Oliveira May.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Polícia Militar Ambiental de Costa Rica autua em R$ 10 mil e interdita lava jato e borracharia por poluição ambiental
JUSTIÇA
Universidade que descumpriu parcelamento privado deve indenizar estudante
ECONOMIA
Tesouro descarta preocupação com encurtamento da dívida pública
REGIÃO
Pescador profissional e autônomo são autuados em R$ 10 mil por abater dourado e pescar com redes e tarrafa e apreende 50 kg de pescado e petrechos ilegais