Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021
Capital

Ação cobra R$ 140 milhões de prejuízo por superfaturamento do Aquário

04 novembro 2016 - 07h45Por Campograndenews
O MPE (Ministério Público Estadual) tenta na Justiça bloquear bens do ex-secretário de Obras de Mato Grosso do Sul, Edson Giroto, e de mais sete pessoas que estariam envolvidas em esquema para forjar e superfaturar contrato de um dos serviços necessários na construção do Aquário do Pantanal e desviar dinheiro. Promotores querem o bloqueio de R$ 140 milhões dos acusados para garantir futuro ressarcimento aos cofres públicos.


Capital

03/11/2016 17:50

Ação cobra R$ 140 milhões de prejuízo por superfaturamento do Aquário
Ex-secretário de Obras teria feito contrato sem licitação e ilegal para desviar dinheiro

Anahi Zurutuza

Imprimir Enviar por E-mail
Obra do Aquário do Pantanal, que começou a ser construído em 2011 e não tem previsão para ser concluído (Foto: Fernando Antunes/Arquivo)
Obra do Aquário do Pantanal, que começou a ser construído em 2011 e não tem previsão para ser concluído (Foto: Fernando Antunes/Arquivo)

O MPE (Ministério Público Estadual) tenta na Justiça bloquear bens do ex-secretário de Obras de Mato Grosso do Sul, Edson Giroto, e de mais sete pessoas que estariam envolvidas em esquema para forjar e superfaturar contrato de um dos serviços necessários na construção do Aquário do Pantanal e desviar dinheiro. Promotores querem o bloqueio de R$ 140 milhões dos acusados para garantir futuro ressarcimento aos cofres públicos.

Veja Mais
› Temporal derrubou tapume do Aquário e outdoor na Afonso Pena
› Tribunal de Contas parou fiscalização no Aquário do Pantanal há 10 meses

A ação civil de improbidade administrativa começou a tramitar no dia 1º deste mês. Os promotores Thalys Franklyn de Souza e Tiago Di Giulio Freire, integrantes da força-tarefa formada depois de deflagrada a Operação Lama Asfáltica, assinam o pedido.

A denúncia contendo 98 páginas está nas mãos do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos Coletivos e Individuais Homogêneos, que ainda não se manifestou sobre se aceita ou não as acusações e, portanto, também não decidiu sobre a indisponibilidade dos bens dos oito citados.

Contrato forjado – Os promotores defendem que a contratação da Fluidra Brasil Indústria e Comércio Ltda., em 2012, foi feita de forma ilegal. A empresa seria a responsável por criar o "sistema de suporte à vida" do aquário, ou seja, trabalharia na execução da rede de filtragem dos tanques.

Ocorre que, entretanto, este serviço inicialmente seria feito por outra empresa, a Terramare Consultoria, Projeto e Construção de Aquários Ltda., que havia sido contratada pela Egelte Engenharia Ltda., a empreiteira vencedora da licitação em 2011 e, portanto, responsável pela obra.

A Terramare havia orçado a construção do sistema em R$ 8.649.685,59 – 10% do orçamento inicial do empreendimento, que era de R$ 84.749.754,23. Contudo, o Governo do Estado, na época, decidiu substituí-la. Para isso, em agosto de 2013, o contrato firmado com Egelte foi revisto.

A empreiteira responsável apresentou à Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) a reprogramação dos serviços e, segundo o MPE, no documento consta que "atendendo determinação superior", suprimiu todos os itens relacionados ao sistema de filtragem dos tanques.

A Fluidra foi contratada sem licitação e os promotores que investigaram a situação defendem que não há argumentos para a "inexigibilidade" de concorrência pública.

O MPE também ouviu o dono da Terramare e ele contou que foram representantes do escritório de Rui Ohtake, o arquiteto e idealizador do aquário, que o informaram sobre a substituição e que ele nunca foi questionado sobre a qualidade do serviço que prestaria, deixando claro que a outra empresa não ofereceria algo necessariamente melhor.

A CGU (Controladoria-Geral da União) também já havia apontado indícios de irregularidades na troca de empresas, segundo o MPE.

R$ 25 milhões – Para implantar o sistema de suporte à vida do aquário, o governo firmou contrato por R$ 17.270.515,72. "Então, resta claro que a decisão de contratar a Fluidra Brasil não decorreu de necessidade técnica, mas sim foi meio de desvio de recursos públicos", alegam Thalys Franklyn e Tiago Di Giulio.

Para engrossar a teoria de que houve apropriação do dinheiro público destinado à obra, o depoimento de uma ex-funcionária da Fluidra que fala sobre esquema de pagamento de propina a governantes, secretários e funcionários públicos foi incluído na ação.

Além do sistema de filtragem, a Fluidra também ficou responsável pelo sistema de automação, iluminação e cenografia do aquário, cobrando R$ 7,8 milhões mais para prestar tais serviços – R$ 25.087.950,77 no total.

Acusados e indenização – "Para a contratação fraudulenta da Fluidra Brasil, os requeridos Edson Giroto e Luiz Mário Mendes Leite Penteado contaram com a imprescindível colaboração e participação de Massashi Ruy Ohtake, José Antonio Toledo Areais, Ruy Ohtake Arquitetura e Urbanismo Ltda., Fernando Amadeu Silos Araújo e Pere Ballart Hernandez, que agiram para forjar situação de inexigibilidade de licitação", acusa o MPE.

Por isso, os promotores querem o bloqueio de R$ 140.258.332,24 em bens de Giroto e também de: Luiz Mário Mendes Leite Penteado, que seria o "braço direito" do secretário de Obras na Agesul, Fernando Amadeu de Silos Araújo, Pere Ballart Hernandez e José Antônio Toledo Areias, todos integrantes da Fluidra, e ainda da empresa. Rui Ohtake e o escritório dele também estão na lista.

Conforme o MPE, do montante total, R$ 10.789.102,48 seriam para indenizar o Estado por danos morais, R$ 107.891.024,80 por dano moral coletivo e mais R$ 21.578.204,96 correspondem à multa civil (conforme o art. 12 da Lei nº 8.429/92, duas vezes o valor do dano material).

Outro lado - Valeriano Fontoura, o advogado de Edson Giroto, afirma que não tem conhecimento do conteúdo da ação e que só vai se manifestar quando o cliente for notificado.

Luiz Mário Penteado é engenheiro e garante que sempre emitiu pareceres técnicos pela Agesul. Ele disse ainda que o departamento jurídico da agência analisa os procedimentos e dá a palavra final sobre como devem ser feitas as contratações pelo Governo do Estado. Ele não foi citado ainda sobre a ação que pede bloqueio de bens.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
EDUCAÇÃO
Enem 2020: confira hoje a correção das provas ao vivo
BRASIL
Mesmo com vacina, vitória sobre coronavírus passa por 'mudança de comportamento social'
Antônio Barra Torres deu declaração ao abrir reunião da Anvisa que analisa pedidos de uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19
SAÚDE
Ocupação de leitos em UTI Covid continua alta nas cinco macrorregiões do Estado