Menu
Busca sexta, 15 de janeiro de 2021

Alunos da Escola João Carlos se destacam em projeto do Centenário

Alunos da Escola João Carlos se destacam em projeto do Centenário

07 agosto 2012 - 15h45
Divulgação (TP)

Os estudantes da Escola Municipal João Carlos Pinheiro Marques participaram de um projeto pedagógico que teve como objetivo pesquisar a História de Ponta Porã, no ano de seu centenário.

Os alunos se destacaram especialmente na produção de redações em que relatam as visitas efetuadas aos locais históricos da cidade e as pesquisas desenvolvidas em torno do tema.

Entre os trabalhos elaborados, ganharam destaque as redações dos alunos Eder Cândido dos Santos e Ronaldo Gustavo Gonçalves.

Leia os trabalhos na íntegra:

Uma viagem na História

Eu sou o Eder e estou no 5° ano A, eu e meus colegas e a Professora Vanda fomos na antiga Ferroviária que hoje é a atual Fundação de Esporte e Cultura de Ponta Porã que é tombada por patrimônio Estadual de Mato Grosso do Sul, e também patrimônio histórico que conta com a historia dos ferroviários de Ponta Porã, e fizemos uma entrevista com um antigo ferroviário que se chama Sr. Alberto que relatou como era Ponta Porã a mais de 30 anos.

Vimos também como eram as locomotivas e uma delas era conhecida como Maria Fumaça. Também vimos os lugares de carga e descarga dos vagões, logo depois fomos a uma construção antiga em forma de castelo que se chama Castelinho, que naquela época era algo muito importante para nossa cidade e pro Brasil, que hoje é tombada como Patrimônio Histórico.


Depois de alguns dias fomos conhecer a historia de “Erva Mate tereré”, no Museu Santo Antônio construído pelo José Benitez Cardenas e fomos guiados pelo Professor Domingos. Ele contou um pouco da historia da “Erva Mate” que foi a maior geradora de lucro e crescimento de Ponta Porã.

Ele também contou sobre as peças muito antigas daquela época e as pessoas que fizeram o desenvolvimento da nossa cidade. Lá nós vimos também quando surgiu a Erva Mate em 1554 foi descoberta a ‘Erva Mate’ por um tenente do exercito brasileiro, foi encontrada numa tribo indígena o tereré, ele gostou muito do sabor ele queria levar a Erva Mate para a cidade mas houve um conflito entre eles ,porque os indígenas não queriam deixar leva a planta mais o tenente venceu o conflito e trouxe a planta,e em 1974 já era cultivada e comercializada a ‘Erva Mate Tereré’. E Tomaz Larangeira ele que levou o comercio da ‘ Erva Mate’ para os outros países.


O Professor também explicou quantas espécies de pé de ervas tem no Brasil que é 70 espécies que da para fazer 150 produtos e remédios, ele também falou sobre o segundo pais que tem a maior quantidade de ‘ Erva Mate’ que é a Ásia que cultiva 50 espécies. Ele contou quem é a maior compradora do mundo que foi a Argentina,e ainda explicou como era cultivada a ‘Erva Mate ‘ no mato ela vive 80 a 100 anos,já na cidade, tipo na Funcespp e no Museu ela vive 50 a 80 anos e pode chegar a 11 a 12 metros de altura.

E ainda ficamos sabendo como era industrializada a ‘Erva Mate’ e como eram chamados os trabalhadores. O uru queima erva no barbaquá à noite era conhecido por uru. Os trabalhadores carregavam 270 kg para os barbaquá para o processo de secagem da ‘Erva Mate’ 10 a 11 horas , na fronteira antigamente era chamada a ‘Erva Mate Tereré ‘ pelas antigas pessoas de Ilex Paraguaienses ( nome cientifico da erva ,e ainda uma duvida que marca porque Ponta Porã é chamada de princesinha dos ervais e a resposta por ser a maior cultivadora da ‘Erva Mate Tereré ‘ e a maio transportadora de tereré.

Eu só li e vi não inventei para vocês. Fiquei impressionado e nunca vou esquecer como é linda Ponta Porã e você?

Autor: Eder Cândido dos Santos

Ponta Porã e sua História

No dia 23/05/2012, nós, alunos do 5° ano A e a professora Wanda fomos ao museu da Erva Mate.

Aprendemos muitas coisas como eram as calculadoras, como era os computadores. O professor Domingos nos falou sobre a história da Erva-Mate como era feito a Erva-Mate antigamente.

Eles faziam a extração dos galhos que eram cortados com machetes e carregados em grandes feixes. Em seguida, esses galhos eram secados no secador que é uma pequena fogueira onde são passados rapidamente os ramos da Erva-Mate.

Depois os feixes separados são colocados no barbaquá que é uma instalação feita de madeira aberta dos dois lados e coberta de tábuas ou telhas. Ali os feixes são então colocados em uma entrada de madeira ou taquara para que as folhas da Erva-Mate sequem bem devagar o calor é produzido por um forno a lenha depois de secos as folhas e os galhos mais finos são triturados na concha e ensacados estando prontos a erva mate para ser consumida em modernas embalagens.

A erva-mate era acondicionada em cestos de taquara sacos de couro costurados, surrões e barricas feitas de pinhos com arcos de cipó.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASILÂNDIA
Ação conjunta recuperou caminhão levado em golpe do falso depósito
ECONOMIA
Ipea aponta inflação de 6,22% para as famílias mais pobres em 2020
Habitação e alimentos impactaram inflação das famílias de menor renda
CAMPO GRANDE
Policiais civis prendem suspeito de homicídio momentos após o crime
ECONOMIA
Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões