Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020

Blitz no centro da cidade, assassinato na periferia, são as contradições da segurança no Brasil

Blitz no centro da cidade, assassinato na periferia, são as contradições da segurança no Brasil

11 novembro 2011 - 07h55
Mercosulnews

Dois homens armados de escopeta calibre 12 e pistola 9 milímetros executaram na noite desta quinta-feira (10), por volta das 20h15min, o caminhoneiro Luís Carlos Silva dos Santos, de 43 anos. O crime ocorreu no interior do Salinas Bar, localizado na esquina da Avenida Dourados com a Rua Landolfi Antunes, no distrito de Sanga Puitã, a 12 km de Ponta Porã.

De acordo com a polícia, Luís Carlos foi atingido por 4 disparos de escopeta e 15 tiros de pistola 9 mm, e morreu na hora. Pelo que foi apurado, o caminhoneiro chegou ao bar e pediu uma cerveja. Momentos depois entraram os pistoleiros, que sem dizerem nada, abriram fogo. Após o crime a dupla fugiu, mas ninguém soube informar se foi a pé, de moto ou de carro.

Os documentos de Luís Carlos indicam que ele era oriundo de São Paulo, mas moradores do distrito alegaram não conhecê-lo. Com a vítima a polícia encontrou documentos de um veículo Fiat/Uno, cor amarela, que segundo informações, estaria em uma oficina mecânica de Sanga Puitã. Lideranças comunitárias reclamaram do clima de insegurança em Sanga Puitã, por causa da falta de policiais.

“Há dias em que o distrito fica sem policiais militares para atender as ocorrências”, disse o presidente da Associação de Moradores, Valdir Amaro. Ele disse que nesta sexta-feira pretende se reunir com o comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel André Luiz Saab para pedir reforços. “É o segundo crime ocorrido no distrito de pessoas que não são daqui”, informou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

R$ 60 MIL
Família será indenizada pela morte do filho em baile funk
JUSTIÇA
TST determina fim da greve dos Correios
NOTÍCIAS
Empresa de estúdio fotográfico é condenada por cobrança indevida
POLÍTICA
Interesses ocultos usam meio ambiente para prejudicar país, diz Heleno