Menu
Busca domingo, 18 de agosto de 2019
GERAL

Centro de Inovação do Sesi apresenta usos de ferramenta da construção civil em saúde e segurança do trabalho

13 fevereiro 2019 - 13h45Por Da Redação

Um dos grandes problemas da construção civil atualmente é que falta integração entre os requisitos de saúde e segurança do trabalho dentro dos projetos. A afirmação é do engenheiro-civil Adriano Macedo, que lidera o projeto BIM (Building Information Modeling) em Saúde e Segurança do Trabalho em desenvolvimento pelo Centro de Inovação do Sesi de Mato Grosso do Sul, que fez uma palestrar na noite de ontem (12/2), durante o 1º Business Tranformation na Construção.

Falando para uma plateia de engenheiros, arquitetos e profissionais ligados à saúde e segurança do trabalho, Adriano Macedo explicou sobre os usos do BIM, que evolve todo um conceito e uma quebra de paradigmas da indústria da construção civil aplicada na questão de saúde e segurança do trabalho. “O BIM envolve muitas tecnologias e a ideia é abordar isso sempre com o foco em saúde e segurança do trabalho”, afirmou.

Ele reforçou que um dos principais usos do BIM na construção civil é para questões de supervisão em tempo real. “Então a gente passa a ter alguns elementos tecnológicos para que eu possa fazer supervisão de segurança em tempo real. Isso traz um ganho muito grande em construções, onde temos muitos profissionais, muitos equipamentos e muitas atividades acontecendo ao mesmo. Normalmente esse tipo de inspeção era mais visual, mas hoje eu já consigo fazer rastreamento, monitoramentos. Então o BIM vem para criar automação e aí é o grande lance da Indústria 4.0 na construção civil”, ressaltou.

Ainda de acordo com o engenheiro-civil, é fundamental que haja a difusão do conceito do BIM. Pesquisas de mercado realizadas pelo Centro de Inovação do Sesi apontaram que muitos profissionais ainda não conhecem a ferramenta. “Acho importante estarmos estudando projetos, mas também precisamos ir ao mercado, difundir o conceito e mostrar às pessoas que isso traz algo de muito positivo, porque não adianta desenvolvermos um produto super inovador se as pessoas não conhecem nem o conceito envolvido. Acho que é uma responsabilidade do próprio Centro de Inovação levar esse tipo de conhecimento e ficamos muito felizes por ajudar o mercado a entender esse conceito”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Laudo sugere que cacique indígena morreu afogado
POLÍTICA
Projetos avançam em Brasília com ministros empenhados em trabalhar pelo MS, diz Murilo Zauith
BRASIL
Governo lança projeto para estimular empreendedorismo nos jovens
POLÍCIA
Contrabandistas são presos com cigarro e inseticida na MS-162