Menu
Busca domingo, 16 de junho de 2019
ECONOMIA

Dólar bate R$ 4,10, puxa alta na soja, mas eleva custo agrícola

18 maio 2019 - 12h30Por Da Redação com informações do Correio do Estado

Os produtores agropecuários vão sentir a conta salgada dos desencontros nas discussões sobre a reforma da Previdência. Os percalços das negociações no Congresso provocam desconfianças no mercado, que são refletidas na economia. Uma das dificuldades recai sobre o câmbio, que fechou em alta de 1,62%, a R$ 4,102 na venda. É o maior valor em oito meses, desde 19 de setembro, quando a moeda oscilava em meio às eleições presidenciais do ano passado.

A primeira impressão é de que esse cenário favorece o produtor. No entanto, em Mato Grosso do Sul, por exemplo, a maior parte da soja foi vendida antecipadamente e esta disparada deve mesmo é pressionar os custos de produção. A evolução do dólar vai afetar, e muito, os custos agrícolas. O produtor ainda terá gastos com a safrinha e começa a preparar a safra 2019/20 de soja.

Após entrar no quinto mês do ano com as negociações do grão em compasso de espera, em função do mercado travado e de preços ainda pouco vantajosos em relação à safra do ano passado, o produtor sul-mato-grossense encerra a terceira semana deste mês de maio com valorização de 8% no valor da saca da soja, em decorrência da disparada do dólar, que fechou ontem a R$ 4,10, o maior patamar de fechamento desde 19 de setembro do ano passado.

De acordo com informações do consultor da Bolsa de Mercadorias & Futuros, João Pedro Cuthi Dias, o valor pago ao sojicultor pela saca do produto aumentou de R$ 5 a R$ 6 nesta semana e passou das médias de R$ 62 a R$ 63 (negociadas nas praças de Ponta Porã e Dourados) para o valor de R$ 68.

Ele destaca que a elevação da moeda norte-americana favorece as culturas de exportação e, no caso da soja, 70% do grão produzido no Brasil vai para o exterior. Apesar da expectativa positiva para comercialização, ele orienta o produtor que é hora de acompanhar com cuidado esse cenário e vender a produção aos poucos, conforme a oportunidade. 

“No ano passado, a soja alcançou preços excepcionais, em função do prêmio pago no porto e da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Nesse momento, o valor está mais baixo, em torno de US$ 18 a saca no porto, em função do câmbio e também do aumento no mercado internacional”, alertou. 

No caso do milho segunda safra, a situação difere, já que 30% da produção brasileira do cereal vai para exportação e o valor deste produto é “relativamente barato, de US$ 10 a US$ 10,20”. “[A alta do dólar] impacta sim, mas o principal é que ‘acorda’ o mercado. As empresas passam a buscar o produto, há uma transferência [movimentação por causa do aumento na cotação da moeda norte-americana]. Portanto, há um impacto positivo nos preços”, avalia.

Mercado Interno

Entre os dias 6 e 13 deste mês, o preço médio da saca de 60 quilos de soja no Estado apresentou valorização e saiu de R$ 62,25 para R$ 63, de acordo com dados divulgados pela Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul).

Apesar do desempenho semanal positivo, no comparativo com o mesmo mês do ano passado, o preço da oleaginosa acumula retração de 13,75% (em maio de 2018, a saca era cotada, em média, a R$ 73,43).

Conforme boletim da Famasul, as elevações observadas no mercado interno refletem os prêmios que se valorizaram após o impasse comercial entre Estados Unidos e China terem se intensificado, aliado à crescente alta da moeda norte-americana.

Quanto ao mercado futuro, o foco do mercado internacional também está no impasse comercial entre chineses e americanos. As cotações na Bolsa de Chicago refletem os estoques norte-americanos recorde, além da redução da demanda por soja pela China.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Com apoio de professores, estudantes marcham até UFGD e ocupam reitoria
NAVIRAÍ
Agentes brigam dentro de penitenciária por discordarem de ordens da diretoria
POLÍTICA
Moro diz que pode ter cometido um "descuido formal"
POLÍCIA
Homem tenta matar esposa após denúncia por agressão