Menu
Busca terça, 07 de julho de 2020
MS

Governo do Estado estuda métodos para explorar capacidade de navegação do rio Paraguai

26 novembro 2015 - 12h51Por Fonte: noticias
Representando o governador Reinaldo Azambuja, o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, participou nesta quinta-feira (26) do primeiro encontro de entidades governamentais e privadas para definir estratégias de utilização da hidrovia do Rio Paraguai e defendeu a criação de mecanismos para explorar capacidade de navegação do rio, como a criação de zonas especiais de exportação e importação para fomentar o uso do terminal de Porto Murtinho. O Fórum “Rumos da Hidrovia: ações para o desenvolvimento sustentável do transporte no Rio Paraguai” é uma discussão fomentada pela Marinha de Ladário, com a participação de instituições dos setores produtivo e de transporte dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

“Nós fizemos uma ampla discussão sobre as hidrovias do Estado. Acreditamos que a hidrovia tem um grande potencial e pode ajudar no desenvolvimento do Estado. Temos que desenvolver a parte da hidrovia como fizemos no terminal portuário de Porto Murtinho. A ativação do porto está movimento a economia e aqui em Corumbá queremos o mesmo desenvolvimento”, afirmou o secretário.

A hidrovia do Rio Paraguai é considerada fundamental para o desenvolvimento do Mercosul, mas atualmente, segundo o comando do 6º Distrito Naval, essa bacia é subutilizada quanto ao transporte de cargas. O transporte no Rio Paraguai é limitado a um pequeno fluxo de commodities, principalmente minérios e açúcar. Para a Marinha, um número potencial de commodities adicionais poderia ser transportado pelo Rio Paraguai, entre eles soja, farelo de soja e milho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
3ª Câmara Criminal mantém prisão preventiva de acusado de feminicídio
MS
Agência convoca substitutos de programa habitacional na Capital
POLÍTICA
Presidente Jair Bolsonaro testa positivo para covid-19
NOTÍCIAS
Negada indenização a vizinho por não comprovar ofensas