Menu
Busca terça, 20 de outubro de 2020
MS

Grupo criminoso chega a cobrar duas vezes mais por cirurgia do SUS

Entre os investigados está o médico Jaime Yoshinori Oshiro

24 maio 2016 - 11h52Por Fonte: correiodoestado
O Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MPE-MS) investiga grupo que age ilegalmente cobrando de pacientes para realizar cirurgias bariátricas (de redução de estômago) pagas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O esquema envolve médico e atravessador que atuaram em Campo Grande continuariam com o esquema em municípios do interior.

Eles cobram entre R$ 1,5 mil e R$ 2,5 mil por procedimento. A tabela SUS paga de R$ 3,8 mil a R$ 4,3 mil por cada cirurgia realizada e o médico recebe entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil. O pagamento a mais, com a cobrança indevida dos honorários, chega a ser duas vezes maior que o pago pelo poder público.

"Isso não é incomum, infelizmente. A cobrança dos procedimentos para pacientes do SUS é ilegal. Se acontecer a pessoa deve denunciar", afirmou o secretário de Estado de Saúde, Nelson Tavares. Ele informou que o médico cirurgião Jaime Yoshinori Oshiro não é funcionário da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e por isso o órgão não apura o caso. "Se fosse servidor seria aberta sindicância", explicou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
OPAs destaca apoio dos Bombeiros à SES no enfrentamento à Covid-19
ECONOMIA
Brasil e banco americano assinam acordo de US$ 1 bi em investimentos
JUSTIÇA
Construtora deve indenizar proprietário de apartamento novo com pisos rachados
CORONAVÍRUS
Em apenas 24 horas, MS registra 15 óbitos por coronavírus