Menu
Busca sábado, 28 de março de 2020
Ponta Porã

IFMS abre vagas para cursos de idiomas em Ponta Porã

IFMS abre vagas para cursos de idiomas em Ponta Porã

10 novembro 2015 - 09h30Por Da redação
O Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) em Ponta Porã está com processo seletivo aberto para o ingresso em cursos de idiomas gratuitos realizados a distância por meio da Rede e-Tec Brasil.

São oferecidas 600 vagas para turmas de Espanhol e Inglês Básico em 12 polos. Podem participar candidatos que estejam cursando ou tenham concluído o ensino médio. Metade das vagas é reservada a estudantes das redes municipal e estadual e para alunos do IFMS.

Inscrições – Devem ser feitas entre os dias 16 a 19 de novembro, exclusivamente pela internet, na Central de Seleção. O endereço é www.ifms.edu.br/centraldeselecao. O candidato deve optar por apenas uma das vagas.

Aqueles que não possuem acesso à internet podem utilizar os computadores disponíveis nos campi do IFMS.
Os endereços e horários estão listados no item 3 do edital de abertura.

A seleção será feita por meio de sorteio eletrônico, no dia 24 de novembro, em Campo Grande. No dia seguinte ocorrerá a divulgação dos selecionados.

As matrículas serão realizadas entre 7 e 9 de dezembro, a partir da classificação final do sorteio, respeitando a reserva de vagas aos estudantes da rede pública.

Cursos – A formação inicial e continuada em Espanhol e Inglês Básico é oferecida por meio do Programa Idiomas Sem Fronteiras, da Rede e-Tec Brasil.

As atividades são semipresenciais, com aulas disponibilizadas por meio do Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem (Moodle), com dois encontros semanais no polo de ensino presencial. O ingresso nos cursos será no segundo semestre letivo de 2015.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Coronavírus: Brasil tem 92 mortes e 3,4 mil casos confirmados
MS
Governo do Estado reforça que adiamento de prazo é para adesão ao Refis do ICMS
POLÍCIA
Homem é preso com mais de 300 kg de maconha dentro de veículo em MS
NOTÍCIAS
Maia diz que ajuda do governo para empresas pagarem salários é 'tímida' e 'não vai resolver nada'