Menu
Busca segunda, 08 de março de 2021
BOLETIM COVID

Janeiro já acumula 66 óbitos por Covid em Mato Grosso do Sul

05 janeiro 2021 - 11h30Por Portal MS

A Covid-19 segue ceifando vidas em Mato Grosso do Sul. Para se ter uma ideia, em quatro dias do mês de janeiro já foram 66 óbitos em decorrência da doença. O boletim epidemiológico desta terça-feira (5) apresentou novo recorde para registro em 24 horas. Foram notificadas 33 mortes que ocorreram no período de 30 de dezembro de 2020 a 4 de janeiro de 2021. A atualização eleva o número total de mortes ocorridas no Estado para 2.431.

Dos óbitos que aparecem no boletim de hoje, 15 são de Campo Grande, 3 de Corumbá, 3 de Dourados, e 2 de Amambai. Anastácio, Aquidauana, Bela Vista, Caarapó, Chapadão do Sul, Coxim, Ivinhema, Maracaju, Nova Andradina, e Três Lagoas registraram uma morte cada. A média móvel indica que 23 pessoas perderam a vida para a doença por dia na última semana.

Nos primeiros dias de 2021, o Estado já confirmou 3.809 pessoas infectadas pela doença. Só de ontem para hoje a Secretaria de Estado de Saúde (SES) recebeu a confirmação de 1.320 novos casos. Os municípios com maior número de positivações são: Campo Grande (+279), Dourados (+170), Ponta Porã (+107), Amambai (+68), Maracaju (+68) e Três Lagoas (+68).  A média diária de testes positivos nos últimos 7 dias é de 960.

De 12.496 casos ativos da doença no Estado, 588 são pacientes internados em unidades hospitalares, 22 a mais que os indicadores apresentados ontem que apontava 566. Do total de internações, 300 são em leitos clínicos e 288 em leitos de unidade de terapia intensiva (UTI).

Confira aqui o detalhamento do boletim Covid desta terça-feira, 5 de janeiro de 2021.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO
Contar pede esclarecimentos sobre origem e destinação de materiais hospitalares armazenados
GERAL
Vetos ao Marco do Saneamento podem ser votados nesta semana
REGIÃO
Dois homens são presos por descaminho na área rural do município de Deodápolis
ECONOMIA
Inadimplência cai ao menor nível desde início da pandemia, diz CNC