Menu
Busca domingo, 22 de julho de 2018
(67) 9.9973-5413
POLÍTICA

MDB adia convenção a espera de aliados para campanha de André

Convenção estava marcada para dia 21 de julho e deve ocorrer agora na reta final, em 3 de agosto

11 julho 2018 - 11h45Por Da redação

Foi anunciada ontem (10), a mudança na data da convenção do MDB, que aconteceria no próximo dia 21. A espera de aliados e sem ter formalizado uma parceria de peso, o partido resolveu adiar a sua convenção partidária para a reta final do calendário eleitoral, provavelmente em 3 de agosto.

A direção estadual quer ter mais tempo para ampliar a coligação, trazendo novos partidos em apoio ao ex-governador André Puccinelli (MDB).

O deputado Junior Mochi (MDB) explicou que se a convenção fosse realizada dia 21 (julho), o partido teria no máximo 24 horas para fechar a ata, com as coligações e chapas formadas.

“Mudou a lei eleitoral, antes a ata ficava aberta para entrar novos partidos, agora é um dia depois das convenções, nós ficaríamos limitados para novas alianças”, disse ele. De acordo com o Campo Grande News, as lideranças do MDB confirmaram que assim amplia o prazo para as negociações com os demais partidos, já que o prazo final das convenções termina dia 5 de agosto.

“Muitos partidos nos disseram para segurar um pouco, pois ainda discutiam internamente fazer parte da nossa chapa”, garantiu Mochi.

Eduardo Rocha (MDB) também destaca que se amplia o prazo de “negociações” em busca de uma chapa mais forte para o pleito. “Foi um pedido acatado pela direção do partido, que entendeu que a convenção no final do prazo aumenta nossas possibilidades, iria ocorrer muito cedo”, ponderou.

O MDB ainda busca partidos de peso para fazer parte da coligação, como as conversas com os Democratas, que também estão em diálogo com os tucanos. “Não poderíamos ter a ata fechada dia 22 (julho), com o prazo aberto até dia 5 (agosto)”, explicou Eduardo.

Os emedebistas no entanto garantem que a mudança da data não interfere nos planos políticos, de lançar André Puccinelli ao governo e Waldemir Moka ao Senado.

“Esta questão é resolvida e irreversível”, disse Ulisses Rocha, presidente municipal da legenda.

Entramos em contato com o ex-governador André Puccinelli (MDB), que está em agenda em Brasília, mas ele não atendeu as ligações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANITTA
Medicina é chiclete da mistura do Brasil com tudo – até vermífugo
DESENTENDIMENTO
Homem de 45 anos é esfaqueado pelo genro
Vítima foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros de Nova Andradina e o autor fugiu
CAMPO
Tabelamento do frete emperra venda do milho em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Experiência em saúde no Brasil é destaque em conferência sobre aids