Menu
Busca sexta, 07 de agosto de 2020

Mercado imobiliário está aquecido em Ponta Porã

09 setembro 2011 - 16h10
Mercado imobiliário está aquecido em Ponta Porã

Dora Nunes

O mercado imobiliário cresceu em todo o território brasileiro nos últimos anos e em Mato Grosso do Sul não foi diferente. Basta visitar as cidades do interior para se ver um grande número de construções sendo feitas para morar, vender ou alugar. Os programas do governo, a facilidade nas lojas de materiais de construção provocou um grande “boom” nesse setor.

Em Ponta Porã também se vê essa movimentação imobiliária no centro da cidade e em bairros, uma vez que a medida provisória 514/2010 prevê estender até o final do ano o plano para que casas construídas em ruas sem asfalto e rede de esgoto continuem sendo aceitas no programa do governo federal “Minha casa, minha vida”, sendo que essa foi uma medida tomada para que se preserve a qualidade dos imóveis financiados pelo programa. De acordo com o Sindicato dos Corretores de Imóveis, a diferença do valor do imóvel, em uma rua sem infraestrutura para vias pavimentadas, é, em média, 30% menor.

O Delegado Regional do CRECI-MS, doutor Pedro de Souza Lima, que atua nesse setro há 18 anos, disse que no mercado imobiliário de hoje existe uma diferença quanto a locação e vendas, uma vez que na locação existe uma demanda muito reprimida, acreditando que os empresários desse setor que puderem investir terão um retorno garantido; as vendas, de acordo com o delegado, deu uma aquecida nos últimos 6, 8 meses, tendo um mercado em ascensão.

Falando sobre a tal “ bolha imobiliária”, doutor Pedro disse na fronteira já se evidenciou esse fenômeno durante décadas, pois por serem cidades siamesas, Ponta Porã e Pedro Juan, quando a gangorra está de um lado, o outro lado se beneficia e vice e versa. “ Então hoje o que nós temos no mercado imobiliário é uma adequação de preços, porque o investidor, seja brasileiro ou paraguaio, verifica que investir no setor imobiliário do lado de Ponta Porã está dentro de uma realidade de mercado, pois se você fizer um imóvel,por na ponta do lápis o que se investiu, no retorno garantido é investimento seguro”, frisou Pedro de Souza Lima.

Falando sobre as inúmeras construções que se vê na cidade, o delegado disse que a procura por financiamento de imóveis que é disponibilizada pelas instituições bancárias, geralmente é para o uso próprio, sendo a locação rara, nesse seguimento.

Historicamente, o retorno com locação residencial é garantido. Considerando a região de fronteira e a classe estudantil, devido as faculdades de medicina e odontologia do lado paraguaio, fez crescer a procura por imóveis para se alugar, frisando que a “bolha imobiliária” da kitinet já passou, pois o mercado está saturado. “ Se você quiser uma locação garantida, faça a construção com uma suíte, dois quartos, copa, cozinha, um imóvel destinado para a família e o mercado imobiliário é bastante aprazível para o investidor e para aquele que quer sua casa própria, estando em franca ascensão”, finalizou o delegado regional, doutor Pedro Lima.

O corretor de imóveis Silvio Eduardo Soto Oviedo, que atua no ramo imobiliário desde 1991 comentou que esse mercado está bem aquecido em Ponta Porã, tanto em termos de locação com venda. O Programa Minha Casa, Minha vida, deu um “up” nas construções feitas em terrenos na periferia, ocasionando uma valorização dos imóveis nesses respectivos lugares. “ Em termos de locação, sendo o imóvel bem localizado e em bom estado, é alugado bem rápido e o cliente paga o preço”, afirmou Soto.

Silvio Soto disse que as faculdades de medicina situadas no Paraguai atraíram pessoas de todo o Brasil e geralmente esses estudantes preferem alugar casas ou apartamentos no lado do Brasil. Outro ponto destacado pelo corretor é de que o leque da clientela é amplo, tendo universitários, professores, militares, policiais federais e agrônomos que buscam imobiliárias para aluguel e que a tendência, tanto para venda como locação é o de manter o mercado em aquecimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia
Pesquisa mostra que tensão entre os presos é um dos motivos
SAÚDE
MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
TRÊS LAGOAS
Polícia Militar Ambiental captura jiboia em condomínio
NOTÍCIAS
Paraguai prevê reabertura de lojas da fronteira em setembro
Ministro de Relações Exteriores diz que conversa está avançada com governo brasileiro