Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
Vingança

Oficial premeditou morte do marido para se vingar de traições, diz MP

Oficial premeditou morte do marido para se vingar de traições, diz MP

20 julho 2016 - 08h45Por DouradosNews
Presa desde o último dia 12 de julho depois de matar o marido major da PM Valdeni Lopes Nogueira, a tenente-coronel Itamara Romeiro premeditou o homicídio que teria sido cometido para se vingar das traições do marido. Essa foi a conclusão do Ministério Público Estadual (MPE), que ontem se manifestou sobre o caso e pediu à Justiça que Itamara responda o processo em liberdade, concordando com o pedido da defesa.

Na manifestação assinada pelo promotor Gerson Eduardo de Araujo, a qual o Portal Correio do Estado teve acesso, consta que o pedido de revogação de prisão preventiva deve ser aceito pela Justiça porque a tenente-coronel é ré primária, tem profissão e residência fixa em Campo Grande.

Ainda segundo o promotor, Itamara tem o direito de responder em liberdade pelo crime.

Para justificar a avaliação, Gerson detalha o caso com base no que a Polícia Civil apurou até agora e pelo depoimento da oficial. Segundo o MP, a versão apresentada por Itamara merece ressalvas porque laudos de exames de corpo de delito dela e de Valdeni ainda não ficaram prontos e porque nem todos os familiares, incluindo a filha do casal de 13 anos, foram ouvidos.

Mesmo assim, o promotor afirma que pelo apurado até agora Itamara agiu para se vingar do marido. "Impelida pelo sentimento de ódio, premeditou o crime de homicídio para se vingar das relações extraconjugais que a vítima manteve durante a convivência do casal".

No documento, o MP também ressalta que pelo treinamento da oficial, ela poderia ter atirado apenas uma vez e atingido parte menos vital de Valdeni. Segundo a Polícia Civil, a tenente-coronel atirou duas vezes contra o major, mas só um tiro atingiu o abdômem da vítima.

Finalizando a justificativa, o promotor Gerson afirma que não há provas concretas de que Itamara, se for solta, trará riscos a ordem pública.

Se a Justiça concordar com a manifestação do MP, Itamara será solta, mas deverá cumprir medidas cautelares que proíbem a saída dela da cidade pelo prazo superior a 8 dias e deverá comparecer na Justiça a cada dois meses.

O processo é analisado pela 2ª Vara do Tribunal do Júri.

O CASO

No dia do crime, a briga entre os dois começou porque o major desistiu de viagem de férias do casal. Ela estava marcada para o dia seguinte. Segundo versão de Itamara, ele não apresentou justificativa para a desistência e, durante a briga, começou a agredi-la com socos no rosto e braços.

Além das agressões, Valdeni Lopes teria dito que pegaria arma no carro e que atiraria na cabeça da esposa. Nesse momento, ela fez dois disparos contra ele. Valdeni foi socorrido e levado até a Santa Casa, mas não resistiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
MEC discute novas formas de avaliar ensino superior
PIX
Procon pede explicações a Mercado Pago e NuBank sobre cadastros
Clientes dizem que foram cadastrados sem autorização
GERAL
Huawei avança em energia solar no Brasil e mira em baterias
INTERNACIONAL
EUA pedem que Brasil "mantenha olhar crítico" sobre a China