Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020

Paz é o tema central de projeto da Escola Municipal Adê Marques

12 setembro 2011 - 13h35
Paz é o tema central de projeto da Escola Municipal Adê Marques

Divulgação (TP)




A Escola Pólo Municipal Prefeito Adê Marques criou um projeto com o objetivo central de promover espaços de articulação, reflexão, brincadeiras, formação e implementação de ações, tendo como temática a cultura da paz.

As atividades levam em conta a importância da escola como agente social e que em todo o espaço escolar: na ótica dos idealizadores do “Agente da Paz”, a educação para a paz implica num amplo processo participativo que busque mudar o nosso jeito de pensar, mudar nossos hábitos e promover o aprendizado da paz, da ética, da solidariedade, da cidadania ativa e da justiça.

A diretora da escola, Giseli Souza de Oliveira, informou que o Projeto “Agente da Paz” tem como proposta elaborada e formatada pela Comissão Pedagógica, em etapa posterior a uma série de debates realizados com todos os inicialmente envolvidos, para definições quanto à concepção, diretrizes e metodologias para sua execução.
Segundo a coordenação da escola, “é importante lembrar que toda esta realidade de violências presente no cotidiano dos brasileiros vem merecendo destaque e preocupação por parte de nossas autoridades, sejam elas do poder executivo, legislativo ou judiciário. Nisso, pode-se destacar “O Pacto pela Paz”, instituído pela ONU, do qual o Brasil é signatário. A Declaração e Plano de Ação para uma Cultura de Paz, aprovada por unanimidade pela Assembléia Geral das Nações Unidas em 13 de setembro de 1999, elegeu a década 2001-2010 para dedicação integral a uma Cultura de Paz e Não-Violência às crianças do mundo, sendo obrigação dos países signatários o resgate de valores, atitudes, tradições e estilos de vida voltados para a Paz com sua incorporação a nossa conduta diária”.

O Projeto constitui-se um dos desdobramentos das campanhas em prol da paz que vêm sendo realizadas nos últimos anos em todo o mundo, em várias regiões do Brasil. Contudo, mais do que fertilizar tais campanhas – periódicas e pontuais – adota seu sentido como processo, constituído a partir e com o estabelecimento de uma rede de relações (inter) institucionais e (multi) profissionais, das esferas estatais e da sociedade civil organizada, aí envolvidos os três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Propõe o desenvolvimento de ações parceiras para o enfrentamento da violência, nas suas diferentes manifestações que, infelizmente, permeia e perpassa a nossa sociedade em escala crescente. Para tanto, uma de suas metas é trabalhar no sentido de substituir a cultura da violência instalada – poder-se-ia dizer, praticamente institucionalizada –, por uma nova cultura: de paz.
As diretrizes principais partem de dois eixos:

1- Formação de Multiplicadores do Projeto;

2- Ações pedagógicas desenvolvidas a partir dos ambientes escolares:


O público-alvo do Projeto são crianças integrantes da escola E.P.M. Prefeito Adê Marques, além dos pais, familiares, professores e comunidade em geral.

Por fim, o processo da “Educação para a paz” encoraja a reflexão, o pensamento crítico e se baseia em valores como dignidade, igualdade, respeito e tolerância para com o outro. Pela nobreza e importância da causa, o projeto “Agente da Paz” merece, indubitavelmente, o pronto engajamento de toda a sociedade Pontaporanense.

O projeto envolve os alunos do 5° Ano “A” e “B”, em períodos opostos aos de aula.
Parceiros envolvidos: Escola Pólo Municipal Prefeito Adê Marques. Diretora: Giseli Souza de Oliveira; Coordenadoras: Cleide Morais de Souz Santos, Edicleide Ayala Matheussi e Maria Olga Aquino. A Professora de Tecnologia: Monalisa Mara Meninelli Molina e todos os demais professores e alunos da escola.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro
ECONOMIA
Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância
ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$ 96,1 bilhões em agosto
NOTÍCIAS
1ª Câmara Cível considera regular a devolução de bem à revendedora