Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
Meio ambiente

Pecuarista é multado em R$ 2,3 milhões por degradação

25 junho 2016 - 10h30Por Dourados News
Policiais militares ambientais de Bonito trabalham intensivamente realizando levantamentos de degradações de áreas de várzeas e nascentes do rio da Prata, em várias propriedades rurais no município de Jardim e Bonito. Cinco fazendas já foram autuadas. Uma foi multada em R$ 13 milhões, outra em R$ 520, mais uma em R$ 3,5 mi e uma em R$ 50 mil por irregularidades ambientais.

Na fazenda Figueira, localizada no município de Jardim, a 65 km da cidade de Bonito cuja vistoria ocorre desde o dia 17 deste mês, um agrônomo arrendatário foi multado em R$ 3.300,00 e um agricultor, arrendatário de área da mesma fazenda foi multado em R$ 4.000,00.

Nesta sexta, foram concluídos os levantamentos dessa fazenda Figueira e o proprietário Foi autuado por irregularidades ambientais. Em princípio foi constatada pelos Policiais a criação de gado dentro de área de Preservação Permanente (APP). Não havia cercamento das áreas protegidas dos córregos Sucuri, afluente do rio da Prata, sendo que as áreas de matas ciliares e nascentes estavam sendo pisoteadas pelo gado e degradadas, especialmente com surgimento de erosões nas imediações e de margens do curso d’água.

Não foram preservadas ás áreas de matas ciliares, que nas margens do córrego deveriam ser de 30 metros e das nascentes de 50 metros. Medida em GPS, a área afetada perfez 46 hectares. Em vários trechos de preservação havia atividade de agricultura. A falta de cuidados com o solo, que gerou erosões e assoreamento dos mananciais, contribui com aumento da turbidez da água do rio da Prata, tendo em vista que os cursos d’água afetados e nascentes são afluentes deste rio.

As atividades irregulares foram interditadas e o proprietário da fazenda, de 39 anos, residente em Campo Grande, foi autuado administrativamente e multado em R$ 2,3 milhões. Ele também responderá por crime ambiental de destruir área de preservação permanente e poderá pegar pena de prisão de um a três anos.

O autuado foi notificado a apresentar plano de recuperação da área degradada (PRADE), junto ao órgão ambiental. Os autos também serão encaminhados ao Ministério Público para possível abertura de ação civil pública de reparação dos danos ambientais.

Os levantamentos continuarão nas demais propriedades suspeitas de irregularidades. São levantamentos terrestres, por imagens de satélites, fotografias e vídeos aéreos, no sentido de se levantar as ilegalidades e avaliar os danos ambientais, para a aplicação inicial das multas administrativas, que serão julgadas pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), bem como para subsidiar a parte criminal e para servir de base para o Ministério Público, em possível ação civil pública para a reparação dos danos ambientais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Policiais civis prendem homem que vendia drogas enquanto cumpria regime semiaberto
LEGISLATIVO
Pautados para a Ordem do Dia desta quinta-feira quatro projetos
ECONOMIA
Receita começa hoje a enviar cartas a contribuintes na malha fina
COXIM
Polícia militar prende autores de tráfico de drogas e apreende LSD, Êxtase e maconha