Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Pegadinha

PM suspeita de matar marido em MS despista imprensa em depoimento

PM suspeita de matar marido em MS despista imprensa em depoimento

15 julho 2016 - 08h15Por G1
A tenente-coronel Itamara Nogueira, presa suspeita de matar o marido, prestou depoimento nesta quinta-feira (14) na 7ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande. Ela chegou ao local escondida em uma viatura escaracterizada e entrou pela porta dos fundos enquanto outra mulher foi usada para despistar a imprensa que aguardava em frente à delegacia.

Na viatura caracterizada, uma mulher chegou acompanhada por dois policiais militares e com o rosto coberto. Ela não quis falar com os jornalistas e entrou pela porta da frente.

A estratégia foi usada para despistar a imprensa. Ao mesmo tempo, a tenente-coronel chegou em outro carro descaracterizado e entrou pelos fundos da delegacia, na garagem, sem ser vista por ninguém.
O advogado dela, José Roberto da Rosa, disse que foi a própria polícia que montou e planejou a chegada dela à delegacia. A policial ficou mais de duas horas prestando depoimento. Ela disse para a polícia que disparou contra o marido em legítima defesa, porque estaria sendo ameaçada.

O irmão do major, Waldeci Alves Nogueira, disse que a família vai questionar na Justiça o argumento da legítima defesa e afirmou que a policial já havia ameaçado o major de morte.

"Há muito tempo atrás ela o ameaçou com arma na cabeça, colocou a pistola na cabeça dele e disse que o mataria. E foi, infelizmente, o que aconteceu, porque ela sempre ameaçou, ameaçou a ex-namorada dele, ela era uma mulher muito meticulosa e fria. Nós, como família, conhecemos e sabemos e, por isso, estamos questionando essa tese de legítima defesa.

Nós vamos provar que, na verdade, ele estava separando dela e que ela não aceitou porque realmente era isso que ele pretendia. Ele já não queria mais mantar esse casamento", afirmou.

Quanto à filha do casal, uma adolescente de 13 anos, o irmão do major disse que vai aguardar o andamento dos inquéritos civil e militar para depois pedir a guarda na Justiça.

Crime

O crime aconteceu no final da tarde de terça-feira (12), na casa onde o casal morava no bairro Santo Antônio. Vizinhos do casal relataram ao G1 que ouviram dois disparos e saíram para ver o que era. A princípio, pensaram que fosse assalto, mas quando olharam para casa do casal, viram o homem caído perto da porta da frente. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado.

O major Waldeni Lopes Nogueira foi atingido por dois tiros no peito. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu durante a cirurgia na Santa Casa da capital.

Depois do depoimento, a tenente-coronel saiu da delegacia no bando de trás de uma caminhonete descaracterizada e voltou para o presídio militar. De acordo com a assessoria da PM, todos os procedimentos serão adotados e um inquérito policial militar deve ser aberto para apurar o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Sábado com pancadas de chuva e máxima de 32°C para Mato Grosso do Sul
ECONOMIA
Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões
EDUCAÇÃO
Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior
ECONOMIA
Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo