Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
Polícia

Responsáveis por oficina aeronáutica respondem também por oferecer risco a voos

06 novembro 2015 - 09h38Por Fonte: correiodoestado
Empresas do Paraná e do Rio Grande do Sul terceirizavam serviços com a oficina aeronáutica TK Aviação, de Campo Grande, que cobrava preço inferior por atuar na clandestinidade, sem homologação junto à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Por esta razão, as empresas também devem ser investigadas pela Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado) na Operação Ícaro, deflagrada na semana passada.

Segundo a delegada Ana Cláudia Medina, responsável pelas investigações, os suspeitos respondem por colocar as aeronaves em risco ao instalar peças irregulares. Com base no Artigo 216 da Lei 2.848 de 07 de Setembro de 1940, as penas podem variar de multa à reclusão de seis meses a dois anos.
Medina explica que em Mato Grosso do Sul, quatro pessoas estão na mira das investigações, entre elas, os três sócios que mantinham a TK Aviação na Rua Spipe Calarge, nas imediações do Rádio Clube Campo, e o funcionário deles.

“Não há necessidade nem de alguma aeronave cair. O fato de (a TK) prestar serviço de manutenção sem homologação da Anac já se inclui nessa incidência. Os aviões que se valem desse serviço podem ser interditadas por conta deste risco, já que este tipo de serviço (não autorizado legalmente) é condenado”, explicou a delegada.

Aproximadamente dez aviões devem ser interditados para perícia por terem sido submetidos a manutenções na TK, afirma a delegada, lembrando que a empresa prestava serviço com portas fechadas desde 2014, porque não tinha autorização junto ao órgão competente. Além de atender clientes e aeroviários sul-mato-grossenses, terceirizava seus serviços para companhias do Paraná e do Rio Grande do Sul. Do galpão da oficina foram retiradas diversas peças sem registro.

“As empresas homologadas serão investigadas no inquérito, porque terceirizavam esta oficina que, teoricamente, tinha preço mais barato, mesmo sabendo que ela não era credenciada pela Anac”.
Operação Ícaro.

OPERAÇÃO

A operação foi deflagrada na manhã de quinta-feira passada (29), por meio da denúncia feita pelo dono de uma oficina instalada no Aeroporto Santa Maria, em Campo Grande. A vítima relatava que algumas peças de aviões teriam sido furtadas de seu estabelecimento. Os fatos vinham ocorrendo há cerca de dois anos, mas só puderam ser comprovados neste ano.

Um avião foi apreendido no aeroporto, pois estava com a hélice e um cubo de hélice furtados. O dono foi solicitado para prestar esclarecimentos.
Todo o material apreendido chamou a atenção da polícia que notou o risco iminente oferecido à segurança aérea no estado, levando em conta a irregularidade das manutenções.

As peças apreendidas, quase um caminhão lotado, não têm homologação e são periciadas para saber sua origem, ou até mesmo se estão entre as furtadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus
STF
Leis estaduais sobre taxa de religação de energia elétrica são inconstitucionais
PANTANAL
Força-tarefa combate incêndio na RPPN Eliezer Batista, um dos maiores na Serra do Amolar
DIREITOS HUMANOS
Não se deve menosprezar a capacidade de um surdo, diz pesquisador