Menu
Busca quinta, 13 de agosto de 2020
DESCONTRAÇÃO

Mitos e verdades sobre o consumo de cerveja

04 abril 2020 - 19h00Por Diário Digital

Cerveja dá barriga? A puro malte é melhor? E misturar marcas, deixa mais bêbado? Quem gosta de beber cerveja com os amigos, com certeza, já ouviu muita coisa sobre a bebida, que é uma das mais consumidas em todo o mundo. Mas será que quem comenta sabe mesmo do que está falando? Para te ajudar a não disseminar informação falsa por aí, fizemos uma lista com os mitos e verdades sobre o assunto. Garrafa deitada gela mais rápido: mito De pé, a superfície de contato da garrafa com o frio da geladeira, ou freezer, é maior, por isso, essa é a melhor posição para deixar a bebida gelada quanto antes. Não é a toa que os freezers projetados especificamente para cervejas privilegiam a posição vertical. Cerveja não deve ser muito gelada: verdade A temperatura muito baixa anestesia as papilas gustativas, o que diminui o paladar. Pode até ser refrescante, mas beber cerveja muito gelada pode atrapalhar a degustação. Misturar marcas te deixa mais bêbado: mito Apesar de muita gente insistir em dizer isso, a afirmação não faz sentido. O que deixa bêbado é o teor alcoólico da marca escolhida. O mesmo vale para misturar cerveja com outras bebidas, como destilados. Os ingredientes utilizados na fabricação, como açúcares, também podem fazer diferença, mas a maioria das marcas populares utiliza fórmulas muito parecidas. Ou seja, o que importa é a quantidade, não a qualidade. Chope e cerveja são a mesma bebida: verdade Em geral, especialmente se estamos falando da mesma marca, a diferença está apenas no processo de pasteurização que a bebida de garrafa ou lata passa, para durar mais. Isso pode explicar a diferença no sabor, mas trata-se da mesma bebida, o chope só tem menor prazo de validade. Cerveja dá barriga: mito Se consumida com moderação e associada a hábitos de vida saudáveis, como alimentação balanceada e exercícios físicos, a cerveja não é responsável pelo aumento de gordura na região da barriga. Em geral, o que pode ajudar a engordar são os tira-gostos, alimentos comumente gordurosos e consumidos em excesso para acompanhar a bebida. O colarinho tem uma função: verdade Muita gente não gosta, e até dispensa, a espuma que se forma em cima da cerveja. Mas ela ajuda a manter a temperatura e reduz a perda de gás. Especialmente, se você vai degustar com calma, o colarinho é fundamental. Puro malte é melhor: mito Muita gente prefere, mas trata-se apenas de um tipo diferente de cerveja. A qualidade da cerveja não depende do uso ou não do puro malte, mas da qualidade dos ingredientes utilizados, do seu processo de produção e, claro, do paladar de quem vai beber. Cerveja é mais saudável que destilado: verdade De acordo com especialistas, bebidas fermentadas, como a cerveja e o vinho, são menos agressivas para o organismo que as destiladas. Além de elas serem obtidas por um processo mais natural, costumam ter menor teor alcoólico. De garrafa é mais gostosa que de lata: depende O produto é o mesmo, mas o recipiente pode sim influenciar no aroma e no sabor. Em geral, a garrafa é melhor para conservar as características originais do produto, mas as condições de armazenamento e temperatura têm mais a ver que isso. Existe copo certo para cada cerveja: verdade Não é frescura: diferentes tipos de cerveja pedem copos diferentes. Isso porque o local onde a cerveja é servida pode ajudar a ressaltar o aroma e o sabor. Pilsen, por exemplo, é perfeita para beber em tulipa ou caneca. Um sommelier pode te indicar o copo perfeito para cada tipo. Sem falar besteira, aquele momento com os amigos para degustar uma gelada fica ainda mais gostoso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
Mulher que teve terreno retomado pelo Município será indenizada
CRIME AMBIENTAL
Empresa sucroenergética de Rio Brilhante é autuada em R$ 186 mil por incêndio em sua lavoura de cana no município de Sidrolândia
CAPITAL
Aluna aprovada no vestibular tem direito a certificado de ensino médio
ECONOMIA
STF aprova proposta orçamentária para 2021 de R$ 712 milhões