Menu
Busca domingo, 29 de novembro de 2020
Faculdade columbia
SAÚDE

Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios

14 novembro 2020 - 08h45Por Portal do MS

Novembro é o mês internacional de sensibilização da prematuridade. Um tema delicado, mas que precisa ser abordado para que haja uma mudança dessa realidade. O Brasil é o 10º país com mais partos prematuros no mundo, com cerca de 340 mil nascimentos de bebês nessas condições por ano, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Quando um bebê nasce antes de ter completado 37 semanas de gestação ele é considerado prematuro. Se o nascimento ocorre antes das 28 semanas ele é um prematuro extremo. Dados da Rede Cegonha mostram que de 29.830 nascidos vivos, entre janeiro a outubro deste ano em Mato Grosso do Sul, 3.360 (12%) são prematuros, sendo 452 (11%) prematuros extremos. A taxa de mortalidade é de 11%.

A pediatra e neonatalogista Dra. Kamilla Amaral Gonçalves Moussa, afirma que a prematuridade é mais comum do que imagina grande parte da população. “É uma condição de nascimento que abala a estrutura dos pais, pois cai por terra toda expectativa gerada diante da chegada de uma nova vida. Em muitos casos o bebê corre risco de vida, passa por período longo de internação nas unidades neonatais. A boa notícia é que na grande maioria dos casos é uma condição que se pode PREVENIR com um pré-natal bem feito”, orienta.

Denominada Prematuridade.com, a Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros, conta com representantes em todo País. Aqui em Mato Grosso do Sul são quatro voluntários que tem a missão de ampliar o debate sobre o tema, além da criação e fiscalização de políticas públicas e a capacitação de profissionais de saúde.

Helena com os pais Guilherme e Denise no aniversário de 2 anos (Foto: arquivo pessoal)

Denise Barros de Azevedo é uma dessas voluntárias e define sua história como “triste e feliz”. Com uma gravidez trigemelar, em que os riscos de o parto acontecer antes da hora são maiores, suas meninas Adelia, Maria e Helena nasceram de 27 semanas. Devido as complicações da prematuridade apenas uma delas resistiu.  “Elas nasceram em agosto e a Helena só veio para casa em dezembro depois de 144 dias de UTI neonatal”, lembra a mãe.  

“O maior desafio da mãe de prematuro não é somente a UTI, são todos os cuidados necessários para que diminuam as consequências da prematuridade”, afirma. Do nascimento à ida para casa já se passaram mais de 3 anos, e depois de muitas terapias e cuidados preventivos, Helena é uma criança muito ativa e além das sessões de fonoaudiologia, faz equitação, natação e antes da pandemia já estava frequentando a escola. Força e resiliência são as palavras usadas por Denise para enfrentar as adversidades que a prematuridade impôs. “Dia após dia. Só quem é mãe de UTI sabe o que estou falando”, finaliza.

Ações de sensibilização

Devido a pandemia do novo coronavírus as ações de conscientização se resumem ao virtual. Durante todo mês a ONG Prematuridade realizará uma série de atividades com foco em informação, educação e acolhimento. 

Por meio da Rede Cegonha a Secretaria de Estado de Saúde (SES) irá promover o Fórum Perinatal voltado a profissionais de saúde trabalhando temas como sífilis, hipertensão e cuidados que as gestantes precisam ter para evitar a prematuridade, além do transporte de recém-nascido grave até o serviço de segurança adequado.

Origem

No dia 17 de novembro, é celebrado o Dia Mundial da Prematuridade, data escolhida pelo significado especial para Jürgen Popp, um dos fundadores da EFCNI (European Foundation for the Care of Newborn Infants). 

No Brasil a iniciativa nasceu em 2011 a partir de um blog de experiência de mães e profissionais com a prematuridade e suas consequências. Em novembro de 2014 foi fundada a Associação Brasileira da Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros – ONG Prematuridade.com – com sede em Porto Alegre (RS) a organização é a única a atuar na causa em âmbito nacional. 

O roxo simboliza sensibilidade e individualidade , características que são muito peculiares aos prematuros. O roxo também significa transmutação, ou seja, mudança; a arte de transformar algo em outra forma ou substância, transformação.

O Dia da Prematuridade, integra o calendário oficial de eventos do Estado por meio da Lei Estadual n.º 5.102.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Briga de vizinhos acaba com um morto espancado
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial para nascidos em maio
INTERNACIONAL
Papa nomeia novos cardeais, entre eles o primeiro afro-americano
DETRAN
Contran revoga Resolução que interrompia prazos de serviços e divulga calendário para CNH