Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020

Ídolo do Palmeiras, Marcos tem vida muito marcada pelo Corinthians

Ídolo do Palmeiras, Marcos tem vida muito marcada pelo Corinthians

05 janeiro 2012 - 15h30
IG

Quem vê Marcos tão identificado com o Palmeiras nem consegue imaginar que o goleiro tem uma ligação tão próxima com o arquirrival, o Corinthians. Por várias vezes, o time do Parque São Jorge fez parte da vida do camisa 12, que decidiu abandonar os gramados na última quarta-feira, em conversa com o gerente de futebol do clube, César Sampaio.

Logo que nasceu, Marcos já teve que conviver com seu pai corintiano fazendo pressão para que ele vestisse a cor preta e branca. Talvez por isso, na sua infância, gritava o nome do então goleiro e hoje comentarista Ronaldo. Ele mesmo confessa que fazia as defesas e, como toda criança, gritava o nome daquele que era seu ídolo da época. Mas será que Marcos era corintiano?

O camisa 12 rejeita com todas as letras e diz ter puxado de sua mãe o fato de ser palmeirense. Por isso, diz que também gritava Veloso aos fazer as defesas durante as peladas que disputava em Oriente, cidade do interior de São Paulo que nasceu e cresceu. Foi também no interior que ele começou a trajetória dentro dos gramados, mais especificamente em Lençóis Paulista, onde foi observado pelo Palmeiras.

Antes, ele já havia passado por uma peneira no Corinthians. Quis o destino que ele fosse aprovado para, meses depois, dizer adeus por saudades da família e da vida pacata em Oriente. Na base corintiana, ele também chegou a ter um imbróglio com o ídolo Neto, que hoje é comentarista da TV Bandeirantes. Recentemente, ele também já discutiu com o ex-jogador ao vivo durante um programa.

Em 1992, ele se firmou no Palmeiras e acharia o clube de onde nunca mais sairia. E adivinha contra quem ele se transformou em ídolo e marcou seu nome na história do clube? Em 1999, precisou assumir a fogueira de substituir Veloso, machucado, em plena Libertadores. Disputou seis clássicos diante do Corinthians, sendo que três deles pela competição Sul-Americana. Com defesas sensacionais e ainda na meta em que Dinei e Vampeta errariam os pênaltis, ele teve seu nome gritado por todos os palmeirenses.

Após semifinal inesquecível contra o River Plate e uma final diante do Deportivo Cáli, o camisa 12 eternizava seu número, correndo em direção à torcida após o erro do colombiano Zapata. Isso porque Marcos caiu desanimado após ver que tinha sido deslocado pelo seu adversário. O que o fez perceber que aquela seria a batida para a glória foi o barulho da bola atingindo a placa de publicidade.


No ano seguinte, novamente o time de seu pai frente a frente. Dessa vez, o jogo disputadíssimo valia vaga na final da mesma competição. O melhor batedor corintiano era Marcelinho Carioca, por isso ele foi o último da lista. Não deu certo. Marcos escolheu o canto antes, contrariando o estudo que já havia feito com seus preparadores e acertou. Defendeu e nunca mais saiu da memória dos corintianos e palmeirenses. Não à toa, a narração daquele lance é uma das mais ouvidas até hoje pelos torcedores palmeirenses, que andam carentes de bons momentos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Mulher é morta a facadas após discussão com ex marido que está foragido em MS
A vítima foi morta com 19 golpes de faca que atingiram as regiões do ombro, tórax e braço
SEGURANÇA PÚBLICA
Apreensões de drogas batem recorde em Mato Grosso do Sul e ultrapassam 707 toneladas em 2020
POLÍCIA
Brasileiro e filha de 9 anos morreram em atentado na fronteira
Ele foi preso durante investigações do assassinato de Wescley em 2018
POLÍCIA
Bombeiros retomam buscas por menino de 8 anos que desapareceu em córrego