Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020

Apesar do fim da greve dos Correios, usuários reclamam de falhas em serviços

Apesar do fim da greve dos Correios, usuários reclamam de falhas em serviços

13 outubro 2011 - 16h30
Agência Brasil

Depois de 28 dias de paralisação dos funcionários dos Correios em todo país, mais de 185 milhões de cartas e encomendas ainda aguardam para serem entregues. A direção da empresa informou à Agência Brasil que serão necessários de sete a dez dias para a normalização das entregas. O secretário da questão racial da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), Robson Luiz Pereira Neves, disse hoje (13) que todos os funcionários voltaram ao trabalho.

“Foi a maior greve realizada pelos Correios. Mais de 70% do efetivo parou e até as cidades que nunca aderiram a uma paralisação reforçaram o movimento. Estávamos fazendo a greve não só por questão econômica, mas por falta de mão de obra e de excesso de trabalho para todos, principalmente, os carteiros”, disse Neves.

No entanto, os usuários se queixam do longo período em que os Correios não funcionaram e também reclamam das falhas no retorno das atividades hoje. “O atendimento está lento. A agência está vazia, os funcionários estão trabalhando, mas estou aguardando a um bom tempo”, disse o estudante Sílvio Xavier.

Para o biólogo Maurício Nascimento, ainda há um clima de greve parcial, pois as postagens de Sedex e o Disque Coleta estão suspensas. “Estou com uma sensação de frustração, pois minhas prestações [enviadas pelos Correios] estão atrasadas. Vim até aqui [a uma agência dos Correios] para fazer uma postagem de Sedex 10 e não consegui”, reclamou.

A gerente corporativa de Representação Institucional dos Correios, Thelma Yeda, recomendou que a população não se dirija às agências para retirar encomendas – incluindo cartas. Segundo ela, o ideal é telefonar antes para a Central de Atendimento dos Correios.

“Em algumas localidades é possível buscar a carta ou encomenda desde que seja registrada. [Mas antes] é preciso ligar para a Central de Atendimento dos Correios, informar o número do registro e verificar se há possibilidade de retirada na unidade em que se encontra a encomenda”, ressaltou Yeda.

O fim da paralisação foi determinado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) na última terça-feira (11). O tribunal aprovou reajuste salarial de 6,87% a partir de agosto com aumento linear de R$ 80 em outubro, além de tíquete-alimentação de R$ 25, vale-cesta de R$ 140 e vale extra de R$ 563,50.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Doações de órgãos caíram 40% com pandemia
MEIO AMBIENTE
Recém-criada, Sala de Crise do Pantanal, vai propor ações concretas de enfrentamento à seca
EDUCAÇÃO
Estudantes com Fies podem suspender pagamentos até o fim da pandemia
NOTÍCIAS
Salão deve indenizar cliente que sofreu queimadura no couro cabeludo