Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020

Após crise nos Transportes, aprovação de Dilma cai para 67%

Após crise nos Transportes, aprovação de Dilma cai para 67%

10 agosto 2011 - 12h40Por Terra
A aprovação do modo como a presidente Dilma Rousseff (PT) está governando o Brasil caiu de 73% para 67% em julho deste ano, segundo divulgou nesta quarta-feira a pesquisa Ibope da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A primeira pesquisa do governo Dilma havia mostrado aprovação de 73% da população. A segunda avaliação foi feita entre 28 e 31 de julho, após a crise no Ministério dos Transportes e no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), com 2.002 pessoas de 141 municípios brasileiros.

Apesar da queda, a presidente continua com avaliação favorável: 48% dos entrevistados consideram o governo ótimo ou bom, contra 12% de pessoas que avaliaram como péssimo. A confiança em Dilma continua com patamar considerado elevado pela CNI, em 65%, mas o percentual é menor que o observado na primeira pesquisa, em março, que foi de 74%. Aumentou, ainda, o número de pessoas que desaprovam (25%) e que não confiam (29%) em Dilma. A aprovação da presidente é mais elevada no Nordeste (70%) e menor no Sul (61%).

Mesmo com a queda na avaliação geral do governo, Dilma Rousseff vem conseguindo desvencilhar a imagem do seu antecessor, Lula. A maioria dos entrevistados (57%) ainda acredita que o governo Dilma está sendo igual ao do ex-presidente, contra 64% medidos na pesquisa de março. No entanto, o percentual de pessoas que acreditam que o governo atual está sendo pior que a gestão Lula mais do que dobrou: passou de 13% em março para 28% em julho. O número de pessoas que acredita num governo Dilma melhor que Lula é praticamente o mesmo em julho e março: 11% e 12%, respectivamente.

Os assuntos mais lembrados sobre o governo Dilma foram a crise no Ministério dos Transportes e do Dnit (21%); a demissão do ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci e as denúncias sobre seu enriquecimento ilícito e tráfico de influência (14%); a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em favor da união de casais do mesmo sexo (7%); a morte do ex-presidente e ex-senador Itamar Franco (6%); atrasos nas obras para a Copa do Mundo (5%); e o aumento da inflação dos alimentos (4%).

Para os entrevistados, também houve piora da percepção das notícias relacionadas ao governo Dilma. Caiu o número de pessoas que consideram o noticiário mais favorável (23% em julho contra 33% em março) e aumentou a população que acha que saíram mais notícias ruins sobre o governo (esse percentual saltou de 7% em março para 25% em julho).

Aprovação por área de atuação
A área de atuação do governo mais bem avaliada é o combate à fome e à pobreza, com 57% de aprovação dos entrevistados. Meio ambiente e combate ao desemprego também têm percentual elevado de avaliação, com 52% e 49%, respectivamente. A saúde e os impostos têm 69% de desaprovação cada, e registram a pior avaliação do governo Dilma, além de terem registrado queda na aprovação em relação a março (quando ambos registravam 53% de avaliação negativa dos entrevistados).

Os juros e o combate à inflação também têm elevada taxa de reprovação por parte dos entrevistados, com percentuais de 63% e 56%, respectivamente. A educação também é desaprovada pela população, com taxa de 52%. Outro setor que também foi reprovado pela população foi a segurança pública, com 65% de avaliações negativas.

A crise no Ministério dos Transportes
Uma reportagem da revista Veja do início de julho afirmou que integrantes do Partido da República haviam montado um esquema de superfaturamento de obras e recebimento de propina por meio de empreiteiras dentro do Ministério dos Transportes. O negócio renderia à sigla até 5% do valor dos contratos firmados pelo ministério sob a gestão da Valec (estatal do setor ferroviário) e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

O esquema seria comandado pelo secretário-geral do PR, Valdemar Costa Neto. Mesmo sem cargo na estrutura federal, ele lideraria reuniões com empreiteiros e consultorias que participavam de licitações do governo no ramo.

O PR emitiu nota negando a participação no suposto esquema e prometendo ingressar com uma medida judicial contra a revista. Nascimento, que também negou as denúncias de conivência com as irregularidades, abriu uma sindicância interna no ministério e pediu que a Controladoria-Geral da República (CGU) fizesse uma auditoria nos contratos em questão. Assim, a CGU iniciou "um trabalho de análise aprofundada e específica em todas as licitações, contratos e execução de obras que deram origem às denúncias".

Apesar do apoio inicial da presidente Dilma Rousseff, que lhe garantiu o cargo desde que ele desse explicações, a pressão sobre Nascimento aumentou após novas denúncias: o Ministério Público investigava o crescimento patrimonial de 86.500% em seis anos de um filho do ministro. Diante de mais acusações e da ameaça de instalação de uma CPI, o ministro não resistiu e encaminhou, no dia 6 de julho, seu pedido de demissão à presidente. Em seu lugar, assumiu Paulo Sérgio Passos, que era secretário-executivo da pasta e havia sido ministro interino em 2010.

Além de Nascimento, outros integrantes da pasta foram afastados ou demitidos, entre eles o diretor-geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot, o diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit, Hideraldo Caron - único indicado pelo PT na direção do órgão -, o diretor-executivo do Dnit, José Henrique Sadok de Sá, o diretor-presidente da Valec, José Francisco das Neves, e assessores de Nascimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
PMA desmonta acampamento de pescadores e apreende petrechos ilegais
CAMPO GRANDE
1ª Câmara Criminal nega recurso de condenado por usar CNH falsa
SAÚDE
Brasil passa da marca de 1,5 milhão de casos confirmados de covid-19
ESPORTE
Grande Prêmio do Brasil de F1 pode ser cancelado