Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020

Após 'freio' na crise, inauguração de shoppings deve ser recorde em 2012

09 outubro 2011 - 22h08Por G1
No próximo ano, o número de inaugurações de shopping centers no Brasil deverá bater recorde: serão 42 em diferentes regiões do país, segundo dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). Atentas à expansão da economia brasileira, puxada principalmente pelo consumo das famílias, grandes construtoras decidiram retomar os projetos que haviam sido suspensos em 2008, no auge da crise financeira mundial.

Nem a crise atualmente vivida pelas economias europeia e americana, que vem derrubando mercados e espalhando o medo de contágio no mundo, impediu que os investimentos fossem ampliados para os próximos anos.

“Em 2008, com a crise [financeira, iniciada nos EUA], houve represamento dos projetos de construção de shoppings, e o reflexo apareceu nos dois anos seguintes. Os investidores ficaram receosos e preferiram esperar. O que veremos em 2012 é a liberação desses projetos, que vão se somar aos que já estavam previstos, atingir esse recorde”, disse o professor do Programa de Administração de Varejo (Provar), da FIA, Eduardo Terra.

Ainda que alguns setores da economia tenham sido mais afetados pela crise, como a indústria, o de shopping centers ficaram protegidos porque a demanda ainda tem sido mais alta do que a oferta, principalmente nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

“O aspecto demográfico tem contribuído muito, o acesso da população aos centros de compras cresce, e a tendência a longo prazo é impressionante. Acreditamos que esse fenômeno vai gerar prosperidade por um longo período”, afirmou o diretor financeiro da BR Malls, Leandro Bousquet. O plano da maior operadora de shopping centers do Brasil é inaugurar de dois a três empreendimentos a cada ano.

Das 42 inaugurações de shoppings previstas para 2012, seis são na região Norte, em estados como Amazonas, Pará e Amapá. Mas a concentração maior continua sendo no Sudeste, com destaque para as cidades do interior.

“Temos uma demanda muito grande dos varejistas. As grandes redes estão em busca de mais espaço. Antes, para pensar em um projeto, falávamos de cidades de 250 mil habitantes para cima. Hoje, o foco também está em cidades de 100 mil a 150 mil”, disse Marcello Sallum, sócio-diretor da Lumine, empresa responsável pela administração de 11 shoppings nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso.

Hoje, 55% dos shoppings estão em capitais e 45% no interior, de acordo com Sallum. Na década de 1980, a proporção era de 70% e 30%, respectivamente. “Existem capitais com muitos shoppings, terrenos escassos e caros ... estamos diversificando, em busca de novos consumidores e vamos aonde eles estiverem”.

O crescimento do setor, que em 2011 deverá ser de 12%, segundo a Abrasce, está sustentado no recente aumento da sua capitalização. “Os shoppings estão mais capitalizados. Em décadas passadas, os empreendimentos eram financiados por empreendedores. Hoje, há fundos de investimentos, investidores estrangeiros, empresas abrindo capital”, pontuou Adriana Colloca, superintendente de operações da Abrasce.

Os grandes grupos que investem em shopping centers atuam com parceiros internacionais ou fundos de investimento de capital nacional ou estrangeiro, conforme explicou Rodrigo de Castro, especialista em Direito Imobiliário do Campos Mello Advogados. “Exerce atividades no Brasil, por exemplo, um grupo europeu de fundo de investimento especialista em construção de outlets. Em um ano, três empresas especializadas em shoppings centers de outlet europeu nos procuraram para iniciar suas atividades aqui no Brasil. Pode parecer pouca coisa, mas já aponta tendências”, afirmou.

No entanto, geralmente o investidor é brasileiro, com fundo de investimento estrangeiro ou investidor estrangeiro que faz parceria com empreendedor brasileiro já estabelecido no mercado, segundo o especialista.

“Existe um mercado consumidor muito forte no Brasil, e os shoppings estão bombando. Se de um lado o mundo fica com medo da crise, de outro vê o Brasil como uma opção segura”, disse Terra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BR 267
Polícia Militar intercepta e apreende duas caminhonetes que seriam utilizadas pelo crime organizado na região de fronteira
ECONOMIA
Pedidos de seguro-desemprego caem 9,3% na primeira metade de setembro
PONTA PORÃ
Polícia Civil prende mulher que forjou o sequestro do próprio neto
JUSTIÇA
Réus condenados no Tribunal do Júri têm recurso negado