Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021

Atacante Henrique renova por mais cinco anos com o São Paulo

23 agosto 2011 - 17h10
Atacante Henrique renova por mais cinco anos com o São Paulo

Uol

Artilheiro e eleito o melhor jogador do Mundial sub-20 pela seleção brasileira, campeã no último sábado, contra Portugal, na Colômbia, o atacante Henrique acertou a renovação de seu contrato com o São Paulo por mais cinco tempo temporadas.

A informação foi confirmada à Folha por pessoas que cuidam da carreira do atleta no início da tarde desta terça-feira.

Ele ameaçava deixar o clube, com a argumentação de que seu vínculo era ilegal.

Em fevereiro, baseado na lei brasileira, o São Paulo renovou por cinco anos com o volante Rodrigo Caio, quando ele tinha 17 anos. O meia Mirrai, 17, aposta para o futuro, também recebeu nesta temporada um novo contrato com a mesma duração.

Mas a Fifa diz que atletas menores de 18 anos podem assinar acordos válidos por, no máximo, três anos. Ao contrário da Fifa, a Lei Pelé não prevê esse limite. Jogadores de 16 anos --idade mínima para assinar contratos profissionais-- podem fechar vínculos de cinco anos.

Era devido a esse conflito entre o local e o internacional que Henrique, 20, considerava que estava livre da equipe do Morumbi.

Seu contrato havia sido assinado em 2008, quando tinha 17 anos, e valia até 2013. Mas, segundo o jogador, os dois últimos anos deveriam ser desconsiderados por não se adequarem ao regulamento da Fifa.

O São Paulo acredita que age corretamente e continua se amparando na Lei Pelé para fechar contratos. "Temos uma tese que foi elaborada pelo nosso jurídico e amplamente discutida. Não vamos abandoná-la por pouco", disse o diretor de futebol amador do clube, Marcos Tadeu Novais dos Santos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Novo mapa do Prosseguir traz 31 municípios na bandeira vermelha
IMUNIZAÇÃO
Chega ao MS quinto lote de vacinas contra a Covid-19
REGIÃO
Polícia Militar do 8ºBPM prende três pessoas por contrabando de agrotóxico
INTERNACIONAL
Opas diz que impacto de vacinas na pandemia vai levar meses