Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020

Bactérias em comida provocaram intoxicação de alunos em MS

04 outubro 2011 - 19h42Por G1/MS
Laudo divulgado na segunda-feira (3) pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul (Lacen-MS) atestou que as crianças da Escola Municipal de Tempo Integral Iracema Maria Vicente, em Campo Grande, foram intoxicadas por bactéria encontradas em alimentos servidos no almoço, na última terça-feira (27). No total, 180 alunos tiveram diarreia, vômito e dores abdominais.

De acordo com o laudo divulgado pelo Lacen, os exames na amostra do almoço detectaram a presença da bactéria estafilococos. Entre as possíveis causas da contaminação apontada pelo laboratório estão: armazenamento dos alimentos em temperatura inadequada, má conservação e manuseio pós-preparação do alimento feito de forma irregular.

O laudo ressaltou que a toxina produzida pelo estafilococos, resultante de sua reprodução, provoca vômitos e diarreia que duram de uma a seis horas. As crianças que precisaram receber atendimento médico tiveram crises de náuseas, vômito, dor de cabeça e dor abdominal. Elas foram encaminhadas a hospitais e postos de saúde da cidade.

O cardápio do almoço servido aos alunos no dia 27, era composto por arroz com carne moída, feijão, farofa com salsicha e ovo, salada de repolho e tomate. Gelatina foi oferecida como sobremesa.

Alimentos in natura

Segundo informações do Lacen-MS, ainda serão analisadas as amostras dos alimentos in natura, ou seja, sem preparação ou que estavam no estoque da escola. Na última semana, o Laboratório concluiu as análises das amostras de água da escola, que apontaram como negativo em relação à presença de microorganismos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia
Pesquisa mostra que tensão entre os presos é um dos motivos
SAÚDE
MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
TRÊS LAGOAS
Polícia Militar Ambiental captura jiboia em condomínio
NOTÍCIAS
Paraguai prevê reabertura de lojas da fronteira em setembro
Ministro de Relações Exteriores diz que conversa está avançada com governo brasileiro