Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020

Caso de leishmaniose humana é confirmado na Capital; oito pessoas estão sob suspeita

26 janeiro 2012 - 16h41Por Midiamax
M.S. , de 62 anos, teve a confirmação de que estava com leishmaniose cutânea no dia 18 de janeiro deste ano em Campo Grande. Há dois dias, ela faz o tratamento para a doença, que vai durar um mês. A paciente disse na quinta-feira (26) que apesar de ter dois cachorros, eles não têm a doença. “Sinto muita dor, a medicação é muito forte e é na veia”, disse.

A confirmação do caso não aparece ainda no boletim do Serviço de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Campo Grande. Segundo o relatório, oito casos de leishmaniose humana estão sob suspeita e foram registrados em menos de um mês na Capital.

Em janeiro de 2011, 24 casos suspeitos foram registrados e 16 confirmados, um caso de suspeita a mais que em 2010 e um caso confirmado a menos.

Ano passado, ao todo, foram 199 casos confirmados e três pessoas morreram por causa da doença. Em 2010, 179 pessoas tiveram a doença e sete vieram a óbito.

A eutanásia de cães contaminados ainda divide opiniões em Campo Grande. O CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) segue a determinação do Ministério da Saúde, que é de matar os cães infectados com a doença.

Alguns médicos veterinários contestam a medida, já que para que o humano não seja contaminado com a doença, é preciso manter o controle da proliferação de mosquitos transmissores.

O médico veterinário Cristiano Marcelo Espínola defende que é difícil para um veterinário conceber a eutanásia de cães, a não ser em estágios avançados da doença. “O animal em tratamento fica ainda com parasitas dentro do corpo, mas a carga parasitária diminui. Por esse motivo o Ministério da Saúde indica a morte do animal”, esclarece.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Engenheiro brasileiro enfrenta desafios em missão simulada
DOURADOS
Guarda cumpre mandado e prende ‘Maldita’ durante festa na Cachoeirinha
ESPORTES
Jorge Jesus critica proibição de torcedores em estádios de Portugal
MS
Crianças tem sobrenome acrescentado de avô materno após decisão da Justiça em MS