Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020

Chineses querem investir em telecomunicações e MS é opção

Chineses querem investir em telecomunicações e MS é opção

16 agosto 2011 - 10h08Por Assessoria
O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, se reuniu nesta segunda-feira, 15 de agosto, em Brasília, com uma delegação de empresários chineses interessados em investir na área de telecomunicações no Brasil, com vistas a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. A audiência foi solicitada pelo senador Delcídio do Amaral (PT/MS), membro da Frente Parlamentar Brasil-China, a partir de um pedido feito pela Câmara de Comércio da China, interessada em estreitar as relações comerciais entre os dois países.

A vice-presidente da entidade, Xing Wei, disse que os chineses, além de implantarem fábricas no Brasil , querem atuar também em parceria com empresas brasileiras que cuidarão das áreas de telecomunicações e informática na Copa e nas Olimpíadas. “O objetivo é produzir aqui fibras óticas e celulares da quarta geração, além de oferecer aos parceiros a nossa experiência no setor de tecnologia da informação”, disse Wei.

O advogado Marcus Garcia, que representou o senador no encontro, disse que Mato Grosso do Sul é forte candidato a receber os investimentos chineses.

“Estamos ao lado dos maiores mercados consumidores do Brasil, as Regiões Sul e Sudeste. Além disso, temos uma posição privilegiada, com acesso direto a Bolívia e ao Paraguai, para onde os chineses podem também exportar tudo o que for produzido em nosso estado”, explicou Garcia.

O ministro Paulo Bernardo se comprometeu a prestar as informações necessárias para que empresas chinesas possam se estabelecer no Brasil, gerando mais empregos e fortalecendo a interação com a China, que vem expandindo muito o comércio e a indústria em todo o mundo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
1ª Câmara Criminal nega recurso de condenado por usar CNH falsa
SAÚDE
Brasil passa da marca de 1,5 milhão de casos confirmados de covid-19
ESPORTE
Grande Prêmio do Brasil de F1 pode ser cancelado
COTAÇÃO
Dólar recua nesta sexta e fecha a R$ 5,31