Menu
Busca segunda, 30 de novembro de 2020

Corpo do traficante Marcelinho Niterói será sepultado no RJ

02 novembro 2011 - 22h13Por O Dia
O corpo do traficante Marcelo da Silva Leandro, o Marcelinho Niterói, 34 anos, será sepultado hoje, no Cemitério Nossa Senhora das Graças (Tanque do Anil), na Vila Operária, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. O criminoso foi morto na noite desta terça na favela Parque União, no Complexo da Maré, na Zona Norte, numa operação da Polícia Federal e do Batalhão de Operações Especiais (Bope), com apoio da Polícia Civil.

Jeferson Douglas Silva dos Santos, 23, também foi morto na ação. Segundo sua irmã, que o levou para o Hospital Federal de Bonsucesso, ele era militar do Exército até dois meses atrás. Informações da polícia dão conta de que ele seria segurança de Marcelinho. Rodrigo Marinho, de 18 anos, e um outro homem, não identificado, ficaram feridos.

O corpo de Jeferson será sepultado nesta quarta-feira, às 16h30, no Cemitério da Cacuia, na Ilha do Governador. Parentes dizem que as vítimas não tinham envolvimento com criminosos. A polícia, contudo, afirma que os acusados tinham ligação com o tráfico de drogas. A Polícia Federal divulgou nesta quarta-feira material apreendido durante operação que resultou na morte de Marcelinho Niterói, 34 anos.

Nesta quarta-feira, o clima é de aparente tranquilidade na comunidade. Policiais militares ocupam pontos estratégicos da favela e helicópteros sobrevoam a região. De acordo com policiais, o bandido, que era considerado o principal traficante do Comando Vermelho em liberdade, reagiu à prisão e foi atingido por dois disparos, um na cabeça e outro na barriga. Com ele, a polícia apreendeu duas pistolas — uma calibre 45 e 9mm — além de droga ainda não contabilizada.

O traficante vinha sendo monitorado pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), da PF, havia algumas semanas. Com o avanço das investigações, os policiais chegaram até o endereço onde ele se escondia, na rua Ari Leão, na Favela Parque União.

Quando os agentes chegaram à rua, Marcelinho tentou fugir a pé e diversos bandidos que faziam sua segurança dispararam contra um comboio de policiais federais, militares (do Bope) e civis que prestavam apoio à operação, incluindo helicóptero blindado.

A casa onde o traficante se escondia fica próximo a um Ciep que não estava aberto no momento do confronto. Durante toda a noite, chegaram boatos de que o chefe do tráfico no Parque União, Jorge Luiz Moura, o Alvarenga, também estaria baleado. Mas a informação não foi confirmada. Alvarenga é concunhado de Marcelinho e oferecia abrigo ao traficante.

Criminoso coordenava transporte de cocaína e distribuição
O Complexo da Maré, ocupado há pouco mais duas semanas pelo Bope, tornou-se nos últimos três anos o Quartel-General da quadrilha de Beira-Mar no Rio. Marcelinho Niterói era acusado de transformar o Parque União, uma das 15 favelas da Maré, no principal entreposto de drogas e armas do grupo.

Segundo a polícia, ele coordenava as rotas de transporte de cocaína e maconha que chegavam do Paraguai e Bolívia, e sua distribuição, conforme O DIA publicou domingo. Marcelinho usava o local como esconderijo desde a ocupação da Força de Pacificação no Complexo do Alemão. O Disque-Denúncia oferecia R$ 2 mil por informações sobre o paradeiro dele.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Briga de vizinhos acaba com um morto espancado
ECONOMIA
Caixa paga auxílio emergencial para nascidos em maio
INTERNACIONAL
Papa nomeia novos cardeais, entre eles o primeiro afro-americano
DETRAN
Contran revoga Resolução que interrompia prazos de serviços e divulga calendário para CNH