Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020

Cresce o número de pacientes com câncer que procuram tratamento em Barretos

Cresce o número de pacientes com câncer que procuram tratamento em Barretos

14 outubro 2011 - 13h10
Midiamax


Sem a opção de contar com novos postos de atendimentos para pacientes que precisam da urgência do serviço de radioterapia no MS, para o combate inicial ao câncer, pacientes acompanhados por um familiar continuam a romaria para a cidade de Barretos, no interior de São Paulo.

Lá, os pacientes utilizam os serviços do Hospital do Câncer, privado, mas referência em tratamento oncológico pelo SUS.

De janeiro a 30 de setembro deste ano, 2.327 pacientes fizeram aplicação de radioterapia em Barretos, gerando 12.999 atendimentos. O alto número de atendimentos comparado ao número de pacientes se deve às múltiplas viagens de uma mesma pessoa.

Neste ano, até o dia 30 de setembro, 2.474 pacientes do MS fazem tratamento rotineiro de combate ao câncer em Barretos, com um total de 15.608 atendimentos.

Em todo o ano de 2010, foram para Barretos 2.610 pacientes, que geraram 24.109 atendimentos. Portanto, a média mensal de pacientes aumentou de 217.5 em 2010 para 274.8 em 2011. Com esses números médios, o total de 2011 deve ser de 2645.9 pacientes.

Os dados foram fornecidos pelo Hospital de Barretos a pedido da reportagem do Midiamax.

Mas um dado chama a atenção: o número médio/mensal de retornos foi muito maior em 2010 do que está sendo em 2011. No ano passado o retorno mensal indicava 2009 pacientes. Em 2011, até setembro, o número cai para 1734.

O fato pode significar que o hospital de Barretos também está lotado, e que mais pacientes engrossam as filas de espera por tratamento de câncer no MS. Ou seja, se a doença precisa ser combatida de pronto, para quem não tem o pronto-atendimento a possibilidade de cura, já rara, torna-se improvável.

Omissão do estado favorece privatização do setor no MS

Recentemente, a secretária Beatriz Dobashi informou à Assembleia Legislativa que o Hospital Regional não terá radioterapia porque está fora dos planos de investimento do governo Puccinelli, que precisa "atender também outros preceitos de economia e uso racional de recursos".

Quanto ao Hospital Universitário, o prazo de inauguração da radioterapia - - dia 27 de outubro - não foi cumprido, e a nova data ainda depende de vistoria dos novos equipamentos pela Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, do Rio de Janeiro. Isso porque a reabertura é acompanhada de perto pelo Ministério Público Federal.

Com a ausência do serviço público, a iniciativa privada não para de crescer no setor. O Hospital do Câncer, de Adalberto Siufi, privado, e que atende pelo SUS, anunciou a construção de um novo edifício.

Até uma proposta da elevação do teto das emendas parlamentares chegou a ser apresentada a Puccinelli, para carrear mais recursos públicos para o Hospital do Câncer. Caso aprovada, o hospital de Siufi receberia, anualmente, mais R$ R$ 4,8 milhões, e em três anos R$ 14.4 milhões.

Em Campo Grande, só o hospital do Câncer realiza radioterapia pelo SUS, e vive lotado, com filas pelos corredores. Outras unidades também privadas estão em Dourados e Três Lagoas. Mas a demanda por radioterapia é maior. Nem mesmo o Ministério Público Federal conhece a extensão da fila de espera, que estava em 160 pacientes em 2010.

Com isso, pacientes da região da fronteira chegam a viajar mais de 25 horas, ida e volta, para uma única sessão de radioterapia ou quimioterapia em Barretos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLITICA
Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas
DOURADOS
Jovem ameaça mãe de morte e vai preso pela GM
SAÚDE
Brasil registra 739 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas
BRASIL
Mourão defende que dados de queimadas passem por 'ajustes e correções'