Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021

Defesa de médica contesta causa de morte de jovem em Bonito

Defesa de médica contesta causa de morte de jovem em Bonito

05 junho 2012 - 15h00
G1 MS

A defesa da médica infectologista Caroline Franciscato de Godoy, de 31 anos, vai contestar o laudo pericial que indica que a jovem Letícia Gottardi, de 19 anos, teria morrido por causa de um choque anafilático. A médica é suspeita de ter prescrito dipirona duas vezes à paciente que era alérgica ao medicamento. O caso aconteceu em abril de 2012, no hospital Darci João Bigaton, em Bonito, a 300 km de Campo Grande.

Em entrevista ao G1, o advogado Leopoldo Fernandes da Silva Lopes sustentou que há indícios de que a jovem tenha morrido em decorrência de um choque séptico, por conta da inflamação do apêndice, e não por um choque anafilático. “Vou solicitar ao Conselho Regional de Medicina que o laudo seja analisado novamente. Existem elementos que indicam que a morte não foi em decorrência do dipirona. Houve um equívoco da perícia”, afirmou o advogado.

A médica foi indiciada pelo crime de homicídio doloso. O delegado responsável pelo inquérito, Roberto Gurgel, disse ao G1 que, no dia 6 de abril, a vítima foi ao hospital reclamando de dores abdominais e foi atendida por outro médico no local. Ela informou que tinha alergia ao medicamento, e a observação foi anotada pelo profissional no prontuário da paciente. Ela recebeu alta no mesmo dia e foi para casa, mas voltou a passar mal na madrugada do dia 7 de abril.

De volta ao hospital, Letícia foi atendida pela suspeita, que, teve acesso ao prontuário feito no plantão anterior e, mesmo assim, determinou à equipe de enfermagem a aplicação de dipirona, segundo o delegado. Horas depois, segundo ele, a médica voltou ao quarto da paciente e receitou, pela segunda vez, o medicamento à base da substância.

Ainda segundo o delegado, a jovem morreu por volta das na manhã do dia 7 de abril. Ele afirma que o laudo pericial apontou a presença de dipirona no sangue da vítima e diz que a reação aguda ao medicamento foi a a causa da morte.

O advogado contestou as afirmações da Polícia Civil e afirmou que a médica não teria visto a anotação de que a paciente era alérgica à dipirona, já que ela foi escrita no verso do prontuário e não no local adequado. “A informação de que a paciente era alérgica à substância foi anotada no verso da folha, em um local inadequado. Não é que a doutora tenha ignorado, ela simplesmente não viu”, enfatizou o advogado.

Parentes da vítima disseram ao G1 que a médica sabia que a jovem era alérgica à dipirona e mesmo assim aplicou o medicamento. Acreditando que se tratava de erro médico, registraram um boletim de ocorrência para que o caso fosse investigado.

O hospital Darci João Bigaton informou que, após o incidente, o contrato de trabalho da médica foi quebrado. A instituição não quis se manifestar sobre a possibilidade de erro médico e tampouco afirmou se a profissional violou algum procedimento do local.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Gabaritos do Enem serão divulgados nesta quarta-feira
TEMPO
Terça-feira de tempo claro, calor e pancadas de chuva à tarde
SAÚDE
Brasil tem quase 30 mil novos casos de hanseníase por ano
CONTRABANDO E CRIME AMBIENTAL
Goiano é autuado pela PMA e preso por Policiais Militares com agrotóxicos do Paraguai