Menu
Busca terça, 24 de novembro de 2020

Delcídio quer investimentos em educação e qualificação para atender diversificação da economia e desenvolvimento

Delcídio quer investimentos em educação e qualificação para atender diversificação da economia e desenvolvimento

23 novembro 2011 - 15h15
Divulgação (TP)

O senador Delcídio do Amaral (PT/MS) está em busca de recursos públicos e privados para investir em educação e na qualificação profissional na capital e no interior do estado.O objetivo é garantir que as vagas geradas pelas empresas já atuantes e as que estão em processo de instalação sejam preenchidas por profissionais de Mato Grosso do Sul.

“Estamos vivendo um processo de diversificação da economia que não tem paralelo na nossa história. São bilhões de reais em investimentos nos setores sucroenergético, papel e celulose, floresta plantada, geração e distribuição de energia, mineração, siderurgia, enfim, uma gama enorme de oportunidades em áreas nas quais o nosso estado não tem muita tradição. Por isso, cabe a nós, parlamentares, fazer gestões junto ao poder público, seja ele federal, estadual ou municipal, e também na iniciativa privada, no SENAI, SENAC , SEBRAE e nas próprias empresas que aqui se instalam, para que ofereçam tanto a educação formal direcionada para essas áreas quanto cursos de qualificação para os nossos estudantes e trabalhadores. Se isto não acontecer, as vagas vão ser preenchidas por profissionais de fora, o que é uma injustiça para com a nossa gente”, afirmou o senador, durante visita neste final de semana à usina da Adecoagro no município de Angélica, região do Vale do Ivinhema.

A Adecoagro é um dos maiores produtores de alimentos e energia renovável da America do Sul. Presente na Argentina, Brasil e Uruguai, o grupo produz cereais, oleaginosas, lácteos, açúcar, etanol, café e algodão. Em Angélica, a empresa opera desde 2008 uma usina que produz 25 mil toneladas de açúcar e 17 milhões de litros de álcool por mês, alem de 90 MW de energia a partir da biomassa da cana. Desse total, 30 MW são consumidos na operação da indústria e o restante vendido para o sistema interligado brasileiro.

O senador foi recepcionado pelo gerente da usina, Tomas Payne, e pelo diretor da área sucroenergética do grupo, Marcelo Vieira.

“Os números desse empreendimento impressionam e comprovam o crescimento e a diversificação da economia sul-mato-grossenses. O grupo aplicou aqui R$ 600 milhões e gera 2.600 empregos diretos. Desde que a usina começou a ser construída, em meados da década passada, a população de Angélica quase dobrou em função não só das vagas abertas no plantio da cana e na operação da industria, mas também na ampliação de atividades econômicas que vieram a reboque, como a construção civil, hotéis, restaurantes, cursos dos mais variados tipos, videolocadoras, enfim, uma gama enorme de serviços que cresceram com a chegada da usina. Essa é uma tendência verificada em várias regiões do estado”, analisa Delcídio.

Depois de conhecer as instalações da Adecoagro em Angélica, o senador foi até o canteiro de obras da usina que a empresa constrói no município vizinho de Ivinhema. Ali, em uma área de 169 ha, estão sendo investidos R$ 900 milhões na implantação de uma unidade capaz de produzir 37 mil toneladas de açúcar e 26 milhões de litros de álcool/mês. A operação começa em 2013 com a geração inicial de 1.500 empregos diretos.



Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Diagnosticado com covid-19, o vice-prefeito de Ponta Porã, Caio Augusto (PSD), está internado na UTI
POLÍTICA
Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos
Avaliação é do Ministério das Comunicações
OPERAÇÃO MOTOR DE LAMA
RF, PF e CGU combatem esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas no estado do MS
PONTA PORÃ
Polícia Militar prende dupla por porte ilegal de arma de fogo