Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020

Delcídio quer mais empresas usufruindo do Simples

31 outubro 2011 - 21h23Por Assessoria
O senador Delcídio do Amaral (PT/MS) vai fornecer todas as informações necessárias para que as Associações Comerciais de Mato Grosso do Sul possam sugerir alterações ao Projeto de Lei do Senado 467/2008, que inclui novos ramos de empresas no Simples (Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro-empresas e empresas de Pequeno Porte) e facilita o recolhimento de tributos por parte das micros, pequenas e médias empresas. Neste final de semana, o parlamentar se reuniu com lideranças do comércio sul-mato-grossense para debater projetos e assuntos de interesse do setor. O projeto está tramitando no Congresso Nacional e vai ser examinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, presidida por Delcídio.

“ Sou parceiro dessa luta para reduzir a carga tributária e simplificar a vida dos empresários. São eles que geram empregos, riquezas e contribuem para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul e do Brasil. Tudo o que eu puder fazer nesse sentido será feito”, afirmou Delcídio. O encontro foi marcado a pedido do 1.° secretário da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande, Roberto Oshiro, e contou com a participação do presidente da Federação das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul (FAEMS), Antonio Freire, o conselheiro da FAEMS e diretor da Associação Comercial de São Gabriel do Oeste, Leocir Paulo Montagna, o diretor da Associação Comercial de Corumbá, Alfredo Zamlutti Junior, o presidente da ACEPP - Associação Comercial Empresarial de Ponta Porã , Evaldo Senger, o vice presidente da Associação Comercial de Campo Grande, João Carlos Polidoro, e o diretor Renato Paniago.

Os empresários manifestaram também apoio ao Projeto de Emenda à Constituição nº 103/2011, apresentado por Delcídio, que altera a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas compras realizadas pela Internet, o chamado e-commerce, e também nas vendas não presenciais realizadas para outros estados.

“Atualmente o ICMS é cobrado no estado onde está localizada a central de vendas do comércio virtual, o que, no meu ponto de vista, é absolutamente injusto, porque o dinheiro para a realização da compra sai do bolso do consumidor que vive no local onde a mercadoria é entregue. A PEC que apresentei ao Senado resolve definitivamente isso, porque garante o recolhimento do imposto no estado consumidor, o que beneficiando diretamente Mato Grosso do Sul”, argumenta Delcídio. Só este ano, a estimativa de aumento da arrecadação sul-mato-grossense com as vendas pela Internet chega a R$ 70 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTADO
Consumidor sul-mato-grossense tem nova chance com 8º sorteio do Nota MS Premiada
SAÚDE
Com proximidade de novo feriado, SES alerta que Covid não está controlada no Estado
ECONOMIA
Confiança dos Serviços cresce 2,9 pontos em setembro, diz FGV
O índice chegou a 87,9 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos
POLÍTICA
Bolsonaro diz que está aberto a sugestões para recuperação da economia