Menu
Busca segunda, 18 de janeiro de 2021

Dilma viaja à Argentina para participar da cúpula do Mercosul

29 junho 2012 - 09h00Por Terra
A presidente Dilma Rousseff partiu nesta quinta-feira à cidade argentina de Mendoza para participar das cúpulas do Mercosul e da União de Nações Sul-americanas (Unasul), após se reunir em São Paulo com o ex-líder Luiz Inácio Lula da Silva.

Dilma chegaria nesta mesma noite em Mendoza, onde pretende participar da Cúpula do Mercosul e de outra que será realizada nesta sexta-feira na mesma cidade da Unasul. O assunto central das duas cúpulas será a situação do Paraguai após o impeachment de Fernando Lugo da Presidência, o que abriu uma crise política que pode deixar o país à margem do Mercosul e da Unasul.

A reunião de Dilma com Lula não aparecia na agenda oficial da governante até pouco depois do meio-dia. Em seguida, a presidente, de 64 anos, se dirigiu ao Hospital Sírio-Libanês de São Paulo, onde, segundo a Presidência, se submeteu a exames de rotina relacionados ao câncer linfático que lhe foi diagnosticado em 2009 e do qual seus médicos dizem que está totalmente curada.

Após os exames, o médico Raúl Cutiat, da equipe que atende a presidente, disse à imprensa que ela está bem, foi submetida a uma tomografia e outros exames rotineiros, e depois partiu rumo ao aeroporto de São Paulo para viajar a Mendoza. Fontes oficiais consultadas pela Agência Efe não souberam informar sobre o conteúdo do encontro com Lula, que alguns meios de comunicação vincularam à situação política no Paraguai.

Assim como o próprio governo Dilma, Lula condenou em termos enérgicos o que chamou de "ruptura da ordem democrática" no Paraguai e inclusive participou nesta terça-feira em São Paulo de uma manifestação organizada por cidadãos paraguaios em solidariedade com o ex-presidente Lugo. Segundo fontes oficiais, Dilma não terá em Mendoza nenhuma reunião bilateral e se limitará à programação oficial do Mercosul e da Unasul. Em seguida, voltará a Brasília nesta própria sexta-feira.

Processo relâmpago destitui Lugo da presidência

No dia 15 de junho, um confronto entre policiais e sem-terra em uma área rural de Curaguaty, ligada a opositores, terminou com 17 mortes. O episódio desencadeou uma crise no Paraguai, na qual o presidente Fernando Lugo, acusado pelo ocorrido, foi sendo isolado no xadrez político. Seis dias depois, a Câmara dos Deputados aprovou de modo quase unânime (73 votos a 1) o pedido de impeachment do presidente. No dia 22, pouco mais de 24 horas depois, o Senado julgou o processo e, por 39 votos a 4, destituiu o presidente.

A rapidez do processo, a falta de concretude das acusações e a quase inexistente chance de defesa do acusado provocaram uma onda de críticas entre as lideranças latino-americanas. Lugo, por sua vez, não esboçou resistência e se despediu do poder com um discurso emotivo. Em poucos instantes, Federico Franco, seu vice, foi ovacionado e empossado. Ele discursou a um Congresso lotado, pedindo união ao povo paraguaio - enquanto nas ruas manifestantes entravam em confronto com a polícia -, e compreensão aos vizinhos latinos, que questionam a legitimidade do ocorrido em Assunção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Vacinas contra a covid-19 começam a ser distribuídas
EDUCAÇÃO
Enem 2020: 51,5% dos inscritos no Enem não comparecem ao exame
Ministro da Educação, Milton Ribeiro, diz que domingo inicial do exame foi 'um sucesso'
COSTA RICA
Polícia Militar prende jovens em tentativa de furto à Agência dos Correios
IMUNIZAÇÃO
Mato Grosso do Sul recebe 97 mil doses de vacina contra Covid-19