Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020

Divisão no PT atinge maiores colégios eleitorais do Estado

10 novembro 2011 - 10h51Por MS Já
O Partido dos Trabalhadores (PT) vem demonstrando ao logo dos anos em Mato Grosso do Sul, uma luta interna de poder em relação às duas grandes lideranças locais, o senador Delcídio do Amaral e o ex-governador José Orcírio dos Santos, o Zeca do PT.

Além da briga interna na capital entre ambos e em Dourados no início de 2011, os dois agora travam uma batalha pela escolha do representante para concorrer no próximo ano à prefeitura de Corumbá.

De acordo com a imprensa da capital, os “problemas” na Cidade Branca envolvem o nome do deputado estadual Paulo Duarte, que já declarou ser pré-candidato ao cargo em 2012, que não seria aceito pelo senador, já que teria um acordo com o governador André Puccinelli (PMDB) para aquela localidade.

O fato porém é despistado pelo presidente do PT, Marcus Garcia, que alega que o partido não apresenta problemas de rixa entre os membros. Na manhã de quarta-feira (9), ele disse ao Capital News que a sigla sempre caminhou unida e que Duarte colocou seu nome à disposição para a disputa do pleito, e se for escolhido, será o representante para as eleições, com o apoio de todos.

As brigas internas entre os petistas são demonstradas publicamente. Em 2010 na campanha para o governo do Estado, Zeca do PT e Delcídio caminhavam em rumos opostos, com o senador realizando conversas com partidos da base aliada e de outras chapas, e alertando que seria candidato ao governo em 2014.

Zeca do PT não deixava barato e além de pedir votos para ele próprio, clamava por Dagoberto Nogueira (PDT) como seu candidato ao Senado Federal, e durante um comicío em Ponta Porã, chegou à dizer que só pediria votos para quem andasse junto dele, no caso o pedetista.

Passada as eleições gerais, a briga entre ambos ganhou outro destaque, o da junção ou não com o atual prefeito de Dourados, Murilo Zauith, até então no DEM, rival nacional e de ideologias políticas opostas às do PT.

Delcídio defendia uma grande aliança, entre as duas siglas para as eleições fora de época no município e fizeram imposições para que Murilo ingressasse na base aliada da presidente Dilma Rousseff (PT) em troca de apoio político, com o PT indicando o vice para compor a chapa e algumas secretarias municipais.

Já Zeca se demonstrou contra e junto com a sua ala douradense, clamou à Executiva nacional do partido para tentar impedir a aliança, tentando emplacar o vereador Elias Ishy como candidato da sigla.

No meio do ano, a dupla, visualizando o futuro, tentou uma 'reaproximação' com ambos dizendo que o PT deveria caminha unido para comandar os maiores colégios eleitorais de Mato Grosso do Sul, inclusive, chegar ao Parque dos Poderes. Porém, até agora isso não aprsentou resultados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID
Relator no STF conclui voto a favor de que governo apresente em 30 dias plano de vacinação
LUTO NA TV
Morre aos 69 anos o jornalista Fernando Vanucci
JUSTIÇA
Concessionária de rodovia tem direito a ser ressarcida de estragos causados por motorista
ECONOMIA
Especialistas alertam sobre saques em cartões de crédito consignados