Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020

Dólar em baixa faz vendas na fronteira caírem até 15%

02 novembro 2011 - 09h45Por Correio do Estado
A desvalorização de 9,5% do dólar em outubro, a maior em um mês desde 2003, causou queda de até 15% no comércio das cidades de fronteira em Mato Grosso do Sul. O maior impacto foi sentido em Ponta Porã, que "perdeu" consumidores para Pedro Juan Caballero, no Paraguai. A moeda americana fechou outubro em R$ 1,70, após constantes altas que elevaram a divisa para mais de R$ 1,90.

"O dólar menor prejudica o comércio da cidade, aqui o imposto é 40%, no Paraguai 10%. As vendas já caíram entre 12% e 15%", afirmou Evaldo Pavão Senger, presidente da Associação Comercial de Ponta Porã.

O dólar paralelo, modalidade usada para compras no Paraguai, fechou a R$ 1,83 na terça-feira. Segundo Pavão, o ideal seria um valor da divisa próximo aos R$ 2. "Assim é bom para todos, os comerciantes paraguaios continuam ganhando, e a população de Ponta Porã segue girando o comércio da cidade", comentou. Devido a forte concorrências, dois mercados especializados no atacado da cidade acabaram fechando as portas.

Outro fator que está atrapalhando as vendas, segundo o dirigente comercial, é o reforço nas fiscalizações na fronteira. "O aumento das barreiras, como a Guarda Nacional, afasta o turista, e Ponta Porã acaba perdendo também volume no setor gastronômico e hoteleiro", relatou Pavão.

Já Corumbá, cidade que faz fronteira com a boliviana Puerto Suárez, não sofre tanto com a concorrência. "Na Bolívia a população compra mais roupas, o resto adquire no Brasil mesmo, até porque a cidade boliviana não tem um apelo grande para o comércio, como Pedro Juan Caballero", explicou Alfredo Zamlutti Júnior, presidente da Associação Comercial de Corumbá. Ele admite porém queda na movimentação financeira, mas vê como fator negativo a dependência do turismo pesqueiro, e a falta de outras opções, fora as datas sazonais, como o Festival das Águas.

A valorização do real em outubro acabou compensando o mês anterior. Em setembro a preocupação com a crise na Europa fez o dólar disparar 18%, e alcançar mais de R$ 1,95. As novas medidas contra a crise aprovadas por líderes europeus, principalmente na segunda metade de outubro, são apontados como os fatores preponderantes na queda acentuada do dólar no mês.



Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Pesquisa comprova que covid-19 é também doença vascular
ECONOMIA
Criação de empregos em agosto atinge melhor nível em nove anos
SERVIDOR
Governo deposita salários de servidores nesta quinta-feira
SAÚDE
Covid-19: Anvisa reduz exigências para análise de registro de vacinas